13 Jun 14
A ver o Mundial (2)
Pedro Correia

Também no futebol a vingança se serve fria. Aconteceu esta noite, em Salvador, com a goleada imposta pela Holanda à Espanha, campeã mundial titular desde 2010 e bicampeã europeia.

"Humilhação mundial", chamou-lhe a Marca, numa magoadíssima manchete.

O colapso espanhol aconteceu no segundo tempo, quando Robben, Van Persie & companheiros carregaram no acelerador e desbarataram o enfadonho tiki taka dos comandados por Vicente Del Bosque, hoje reduzidos à vulgaridade apesar de terem contado com a complacência inicial do senhor de apito. O árbitro italiano, Nicola Rizzoli, apontou para a marca de grande penalidade por alegado derrube a Diego Costa, iludido pelos dotes teatrais do brasileiro-que-virou-espanhol. O mesmo avançado, que recebia monumentais vaias do estádio cada vez que tocava na bola, pôde agredir impunemente Bruno Martins à cabeçada. O senhor Rizzoli nada viu, nada assinalou.

 

Confesso que esta selecção espanhola me foi deslumbrando em grau crescente desde o Europeu de 2008 até ao Euro-2012, passando pelo Mundial da África do Sul. Mas ficou prisioneira do seu próprio sucesso, abusou da arrogância e começou a pensar que aquele sistema de jogo, feito de múltiplos toques e com a obsessão da "posse de bola" acima de todas as coisas, se tornara infalível.

Puro erro. Com um sistema muito diferente, baseado em avassaladoras ofensivas a toda a largura do terreno que em poucos segundos criam desequilíbrios no reduto adversário, os homens comandados por Van Gaal estão-se nas tintas para a "posse de bola": querem é ganhar, tão cedo quanto possível. Inferiorizaram os espanhóis e coroaram da melhor maneira a sede de vingança que transportavam desde a final do Campeonato do Mundo de 2010, quando um golo solitário de Andrés Iniesta, já no prolongamento, bastou para elevar Espanha ao Olimpo da bola.

Nessa final, de triste memória para a Holanda, Robben esteve quase a marcar - mas falhou. Ao contrário do que agora sucedeu, ao assinar dois golos espectaculares, um deles após uma fantástica recepção de bola com o pé esquerdo e o segundo na sequência de uma impressionante corrida de 60 metros em que, embora partindo de trás, ultrapassou Sergio Ramos e apontou a Casillas o caminho da pré-reforma.

Quase toda a equipa espanhola naufragou: Piqué, Xabi Alonso, Iniesta e Xavi, muito abaixo do nível a que nos habituaram, já estavam à beira da derrocada física muito antes do apito final. Silva parecia um principiante. Azpilicueta era um monumento à irrelevância. Torres, que entrou no segundo tempo, foi uma absoluta nulidade: chegou a falhar um golo de baliza aberta.

(A propósito: alguém saberá explicar-me por que motivo Diego López, guarda-redes titular do Real Madrid tanto com José Mourinho como com Carlo Ancelotti, não foi sequer convocado para o Brasil?)

 

O voo de Ven Persie

 

Este jogo pareceu uma final antecipada. Com Van Persie em estado de graça, marcando o primeiro com um espectacular mergulho de cabeça destinado a quebrar os rins ao guardião espanhol, que teve hoje a noite mais negra da sua longa carreira. Um dos golos holandeses, o terceiro, foi no entanto precedido de falta sobre Casillas: o senhor Rizzoli não fez caso. Falhas a mais num jogo só.

 

....................................................................

 

Já de tarde, no Camarões-México, a figura maior do encontro - pela negativa - foi o apitador de turno ao anular dois golos limpos aos mexicanos, ambos marcados por Giovanni dos Santos, que esteve em dia de pouca sorte. Foi também claramente derrubado dentro da área camaronesa sem o juiz da partida lhe conceder penálti.

Pelo já visto, este Mundial arrisca-se a ser o pior cartaz de sempre para a arbitragem a nível internacional. Como se de, repente, no Brasil, tivessem aterrado dezena e meia de Xistras e duas dúzias de Capelas...

 

Espanha, 1 - Holanda, 5

Camarões, 0 - México, 1

 

Robben festeja o segundo golo (quinto holandês) com Casillas de rastos


comentar
Autores
Pesquisar
 
Posts recentes

Os nossos comentadores me...

Isto é o Sporting!

Limpinho, limpinho

Ao Edmundo

Pódio: Bruno César, Gelso...

A diferença entre erro e ...

Esta coisa estranha de nã...

Leitura recomendada

Seis

90 minutos!

Arquivo

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Tags

sporting

memória

comentários

selecção

bruno de carvalho

leoas

vitórias

prognósticos

há um ano

jorge jesus

campeonato

balanço

slb

arbitragem

benfica

mundial 2014

jogadores

rescaldo

taça de portugal

liga europa

godinho lopes

eleições

euro 2016

árbitros

ler os outros

futebol

golos

clássicos

comentadores

nós

marco silva

crise

scp

cristiano ronaldo

análise

chavões

formação

humor

slimani

liga dos campeões

todas as tags

Mais comentados
158 comentários
155 comentários
152 comentários
136 comentários
132 comentários
114 comentários
112 comentários
Ligações
Créditos
Layout: SAPO/Pedro Neves
Fotografias de cabeçalho: Flickr/blvesboy e Flickr/André
blogs SAPO
subscrever feeds