24 Jun 14

La Roja, ainda campeã mundial em título, já regressou ao país natal. Agora vão partir outras duas selecções de primeiro plano, também elas já com títulos mundiais nas suas galerias de troféus. Inglaterra (que empatou a zero com a Costa Rica) e a Itália (que perdeu 0-1 com o Uruguai) dizem adeus ao Brasil.

Mais dois afastamentos prematuros de equipas europeias, confirmando-se assim a tradição dos torneios disputados no continente americano: nunca nenhum deles foi conquistado por uma selecção oriunda do Velho Continente.

Vale a pena sublinhar estes factos para relativizar o já quase-afastamento de Portugal. Como é costume nestas ocasiões, temos o péssimo costume de mirar apenas para o nosso umbigo, pensando que só nós sofremos desaires, e encaramos cada fracasso não como uma oportunidade para melhorar de seguida mas como uma irrecuperável hecatombe nacional, quase um novo Alcácer-Quibir.

 

As coisas são o que são. A nossa selecção tem insuficiências óbvias, tem defeitos notórios, conta com jogadores que nem deviam ter viajado para o Brasil (como aqui se escreveu no momento oportuno) mas apesar de tudo mantém hipóteses matemáticas de transitar para os oitavos-de-final. Algo que não sucedeu sequer com ingleses e espanhóis, que no final da segunda jornada já tinham as malas preparadas para a viagem de regresso.

Por tudo isto, entendo mal que responsáveis federativos e jogadores (começando pelo próprio Cristiano Ronaldo, capitão de equipa) tenham falado ontem e hoje aos jornalistas como se já estivéssemos fora do Mundial e não houvesse ainda uma jornada a cumprir, na próxima quinta-feira. Uma jornada que, provavelmente, ditará o nosso afastamento. Mas que também nos pode ser favorável. Basta ganharmos ao Gana por 3-0 e à mesma hora a Alemanha bater os EUA por 2-0. Convenhamos: para tanto, não será necessário nenhum milagre. Basta concentração, talento, maturidade e alguma sorte.

 

....................................................................

 

Antes e durante o Mundial, a Inglaterra foi elogiadíssima pela crítica portuguesa da especialidade, não faltando especialistas do esférico que já a anteviam como possível vencedora do Campeonato do Mundo. Afinal regressa a casa com duas derrotas, um empate a zero e apenas um golo marcado: hoje não conseguiu sequer um disparo mortífero às redes da Costa Rica, que está a ser uma das grandes sensações deste certame. Apesar de nenhum dos tais especialistas lhe ter vaticinado um percurso de sucesso.

Foi pena só por um motivo: o grande Steven Gerrard - um dos melhores médios mundiais dos últimos 15 anos - despediu-se com este jogo da selecção inglesa, que representou em 114 desafios.

Merecia uma despedida muito melhor.

 

....................................................................

 

Tenho pena que os italianos abandonem o Brasil. Apreciei muito a evolução registada nas últimas duas décadas no futebol italiano e aplaudi a squadra azzurra que conquistou o Mundial de 2006. Com Cannavaro, Totti, Grosso, Camoranesi, Inzaghi, De Rossi, Barzagli, Pirlo e Buffon - os últimos quatro ainda em actividade.

A verdade é que o domínio técnico e a solidez táctica italiana não chegaram para vergar o Uruguai no desafio disputado esta tarde, no Natal. Responsabilidade primeira do seleccionador Cesare Prandelli, que procurou reeditar o sistema do ferrolho defensivo, há muito ultrapassado, e limitando ao mínimo as incursões ofensivas. Isto porque o empate bastava à Itália.

Cumpriu-se um dos axiomas do futebol: quem joga para o empate arrisca-se a perder. Bastou aos uruguaios um lance de bola parada para Godín marcar o golo solitário que lhes deu o passaporte à fase seguinte. Iam decorridos 81 minutos, tornava-se muito difícil dar a volta ao jogo. Até porque os italianos já estavam reduzidos a dez homens, desde os 59', por expulsão de Marchisio - exageradíssima decisão do árbitro, que mais tarde não viu uma cabeçada e uma mordidela de Luis Suárez. O avançado do Liverpool continua a ser um exímio goleador mas persiste em destacar-se pelo seu comportamento antidesportivo.

Desta vez, pelo menos, não precisou de meter a mão na bola, como no lance que colocou o Uruguai nas meias-finais do Mundial de 2010.

Precisamente contra o Gana que vamos defrontar aqui a dois dias. A vida é assim: feita de eternos retornos.

 

Itália, 0 - Uruguai, 1

Costa Rica, 0 - Inglaterra, 0


comentar
12 comentários:
De SLB-33 a 24 de Junho de 2014 às 21:16
Caro Pedro Correia,

A imprensa Portuguesa sempre endeusou a equipa inglesa ao longo dos anos e a mesma equipa sempre mostrou não ter arcaboiço para vencer as competições em que participava.
Quanto à Itália face ao que produziu contra a Inglaterra pensava que ia longe mas hoje tinha pela frente o Uruguai uma equipa que personifica a célebre frase " Antes quebrar que torcer".


De Pedro Correia a 24 de Junho de 2014 às 21:49
Até os narradores e comentadores televisivos, à medida que viam as imagens dos jogos, iam-se desfazendo em elogios à exibição inglesa. É verdade que o Inglaterra-Itália foi um grande desafio. Mas marcar apenas um golo em três jogos é um péssimo currículo para a selecção inglesa neste Mundial.


De Antonio Figueira a 24 de Junho de 2014 às 21:18
"Comportamento antidesportivo" é alcunha: é só ver o que aí vai nos jornais europeus (italianos e ingleses, pelo menos) para suspeitar que o Mundial 2014 acabou para Luiz Suarez. A história dá muito que pensar, até por ser tão inútil - e ser uma reincidência, claro. Deveremos nós concluir que qualquer jogador com cara de João Baião deve, por definição, ser um psicopata?


De Pedro Correia a 24 de Junho de 2014 às 21:47
Tens razão, António. Detesto eufemismos e se usei a expressão "comportamento antidesportivo" foi apenas porque na altura ainda não tinha visto as repetições do lance para tirar por completo as dúvidas. Confirma-se entretanto que o rapaz pode ser um grande goleador mas como desportista é uma nulidade.
Os italianos podem e devem queixar-se da arbitragem. Suárez merecia ter ido para a rua. E o Marchisio nem de longe fez falta para expulsão.
Se continuo a ver arbitragens deste jaez no Mundial começarei a sentir alguma estima pelos capelas tugas...


De Antonio Figueira a 24 de Junho de 2014 às 21:55
Semi de acordo, Pedro: o Suarez, é óbvio, devia ter sido posto a andar, quisesse o árbitro ver as marcas dos dentes deles... Mas o Marchisio, do meu ponto de vista, foi bem expulso: não terá feito por mal, não terá dado pelo que fez... mas aquela falta é para vermelho directo, e o árbitro - que estava ao lado - não podia ter reagido de outra maneira, acho eu.


De Pedro Correia a 24 de Junho de 2014 às 22:04
Admito que tenhas razão, António. O que não torna menos escandalosa a dualidade de critérios do árbitro. Se não viu, alguém tinha a obrigação de ver. Para isso é que eles andam com auriculares durante o jogo.
Isto não invalida que o Prandelli tenha errado na abordagem ao desafio em termos tácticos. Por momentos parecíamos estar outra vez perante a Itália chatíssima dos anos noventa...


De Anónimo a 24 de Junho de 2014 às 22:53
O gajo que, segundo os entendidos que nós sabemos, valia metade do Moutinho está a fazer um mundial fraquinho, fraquinho!! ainda bem que os gajos do Mónaco não entendem nada de bola.


De Pedro Correia a 25 de Junho de 2014 às 18:56
Ainda bem.


De João André a 25 de Junho de 2014 às 09:30
Subscrevo tudo em relação a Suárez. Não tem qualquer espírito desportivo e deveria ter ido para a rua. Por outro lado não tenho como não gostar dele (parcialmente porque irrita tremendamente os ingleses). A verdade é que se é antidesportivo, também não deixa de ser verdade que apesar de pouco agradáveis, os golpes de dentes dele não são exactamente perigosas quando comparadas com algumas entradas de muitos jogadores que nem vêem amarelo. Por isso penso: antidesportivo sim, mas não perigoso. É essencialmente como um gato: é chato e irritante, mas não faz verdadeiramente mal. Já alguns jogadores são como cães: simpatiquíssimos, fiéis e alegres, mas quando ferram,pode ser perigoso.


De Pedro Correia a 25 de Junho de 2014 às 18:58
Parece qe a FIFA abriu um processo de inquérito contra Suárez. Só pode ser um processo sumaríssimo. E que tenha consequências, espero.


De João André a 25 de Junho de 2014 às 11:31
Gerrard é jogador que nunca me agradou muito. Tem óbvias qualidades e é um verdadeiro líder, além de ser um apaixonado pelo seu clube (aquela final de Istambul...). Por outro lado essas qualidades são uma faca de dois gumes. É excessivamente completo sem ser excepcional em nada de especial, o que torna impossível decidir a posição dele em campo. Tem uma tendência irritante de querer carregar a equipa às costas mesmo quando deveria simplesmente acalmar as coisas. E o voluntarismo dele dá para erros de palmatória: este ano um "deu" o campeonato ao Manchester City e outro o segundo golo ao Uruguai.

Não lamento o fim da linha para Villa, Pirlo e Xavi. Deram tanto que não me custa vê-los abandonar. Custa-me mais que Ronaldo nunca tenha o mundial que mereceria (aos 33 no próximo - se Portugal se qualificar - não será certamente o melhor do mundo nem lá perto).

Imaginar que Portugal se qualifica parece-me desejar demasiado É certo que a conjugação de resultados, no papel, não é impossível (assumindo que Portugal faça a sua parte). Já não acredito é que a Alemanha vá além do 0-0 com os EUA. Qualifica os dois, não os obriga a grandes esforços e dá o jeitinho entre treinadores alemães. A única esperança seria Klose alinhar de início para aproveitar a fome de bater o recorde de Ronaldo (o fenómeno). E mesmo assim...


De Pedro Correia a 25 de Junho de 2014 às 19:03
Penso como tu: Cristiano Ronaldo merecia ter um grande Mundial. Depois de ter levado a equipa às costas na qualificação, com aquele 'hat-trick' à Irlanda do Norte e depois com aquela inesquecível eliminatória a duas mãos contra a Suécia.

Ouço e leio alguns falar agora dele como se nada disso tivesse acontecido. Esta é a pior característica dos portugueses: a incapacidade de reconhecer o mérito alheio devido à mais reles e rasa e rasca inveja.
Há até uns fala-baratos que não pescam nada futebol (embora ganhem umas massas como comentadores) a dizer em tribunas televisivas que CR nunca "fez nada" pela selecção...

Tal como tu, também creio que os oitavos-de-final não pertencem à categoria dos 'milagres'. Vencermos o Gana por 3-0 é nossa obrigação e está ao alcance da selecção que é quarta no 'ranking' FIFA. A Alemanha derrotar os EUA por 2-0 também se insere na lógica natural das coisas.
Veremos.


Comentar post

Autores
Pesquisar
 
Posts recentes

Esperança

Irritação

P.O. a D.D. - A sério?

Manto de silêncio

Ódio puro e duro

Os nossos comentadores me...

Como utilizar um miúdo 15...

Nada sucede por acaso

Os nossos comentadores me...

Os melhores prognósticos

Arquivo

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Tags

sporting

memória

comentários

selecção

bruno de carvalho

leoas

vitórias

prognósticos

há um ano

jorge jesus

campeonato

balanço

slb

arbitragem

benfica

mundial 2014

jogadores

rescaldo

taça de portugal

liga europa

godinho lopes

eleições

euro 2016

árbitros

ler os outros

futebol

golos

clássicos

comentadores

nós

marco silva

crise

scp

cristiano ronaldo

análise

chavões

formação

humor

liga dos campeões

slimani

todas as tags

Mais comentados
158 comentários
155 comentários
152 comentários
136 comentários
132 comentários
118 comentários
114 comentários
Ligações
Créditos
Layout: SAPO/Pedro Neves
Fotografias de cabeçalho: Flickr/blvesboy e Flickr/André
blogs SAPO
subscrever feeds