24 Jul 12

Vítor Damas, um dos melhores guarda-redes portugueses de sempre, nasceu a 8 de Outubro de 1947 em Lisboa e morreu prematuramente aos 55 anos, em Setembro de 2003. Este mítico jogador, senhor de inaudita elegância dentro e fora dos relvados, fez nada mais nada menos do que 444 jogos oficiais em dezanove épocas ao serviço do seu clube do coração. A sua ascensão à titularidade no primeiro escalão do futebol leonino coincide com a minha tomada de consciência “sportinguista”. Acresce que um guarda-redes destaca-se no campo não só porque se equipa de cor diferente, mas porque assume o solitário papel idiossincrático dum homérico contrapoder – cabe-lhe a missão de se transcender de corpo inteiro, incluindo as mãos, na obstrução do maior objectivo dum jogo que se joga com os pés: o golo. Assim se entende como ele é por natureza um cromo tão difícil, definição que encaixa como luvas no mítico guardião leonino.

Talvez seja por isso que, na perspectiva de uma criança, não só o ponta-de-lança mas também o guarda-redes adquiram tanta importância num jogo ainda difícil de interpretar: tratam-se afinal do primeiro e último reduto do exército no campo de batalha. Nesse sentido, tomar consciência do futebol com protagonistas como Yazalde e Vítor Damas foi um privilégio que sustentou o meu sportinguismo. Nas brincadeiras, “ser o Damas” era o privilégio de ser a antítese de Eusébio, o incontestável ídolo da época, que quando um dia lhe perguntaram qual a sua melhor memória do velhinho estádio de Alvalade, em vez de se referir aos seus golos ou vitórias, aludiu a uma extraordinária defesa do Damas ocorrida em 9 de Novembro de 1969 que então ocasionou a vitória ao Sporting por 1-0. Por estas e por outras é que Carlos Pinhão, histórico jornalista de A Bola, descreveu em manchete o mítico guarda-redes leonino como “o Eusébio do Sporting”. Foi sem dúvida um dos melhores guarda-redes portugueses de sempre.

De facto, Vítor Damas distinguia-se entre os postes pela garra, intuição, agilidade e elegância. Mas fora dos relvados diferenciava-se por uma erudição na época invulgar no meio: sabia exprimir-se como poucos colegas, e a determinada altura manteve até uma crónica regular no jornal do Sporting - um traço que para mim fazia toda a diferença. 

Dizem que Damas era irreverente e que tinha "mau perder", que entre os postes era capaz do melhor e do pior de um jogo para o outro. Mas acontece que era um líder da equipa e que do coração sangrava verde e branco até  a última gota. Uma qualidade rara nestes tempos: foi desde menino que orgulhosamente envergou e dignificou a camisola verde e branca, com a qual toda a vida se bateu e com que veio a morrer e tornar-se para toda uma geração um verdadeiro ídolo. Assim, decidiu viver para sempre. Quantos contratos milionários isso não vale, Rui Patrício?


comentar
5 comentários:
De Francisco Mota Ferreira a 24 de Julho de 2012 às 17:22
Que delícia de texto João. Parabéns! O toque final ao Rui Patrício fecha c chave de ouro... :-)


De Pedro Correia a 24 de Julho de 2012 às 17:26
Emotiva e sentida homenagem ao grande Vítor Damas, João. Com um excelente remate final. A pôr à prova os reflexos do nosso Rui Patrício.


De João Távora a 24 de Julho de 2012 às 19:26
Obrigado pelas simpáticas palavras, caros Francisco e Pedro. De facto fazem hoje muita falta ao Sporting referências como Vítor Damas.


De José da Xã a 24 de Julho de 2012 às 23:11
Meu caro,
tive o prazer e o privilégio de jantar algumas vezes com o Vitor. Era um homem BOM. E por isso Alguém lá no Céu, precisou dele mais cedo. O seu humor, o seu cuidado com os outros, até mesmo a sua raiva quando perdia eram de um Homem que merece ser recordado para sempre em Alvalade e em Portugal. Comovi-me. Bem-haja pelo excelente texto.


De Fernando Albuquerque a 26 de Julho de 2012 às 10:09
Parabens pela sua escolha. Pensava que o Damas não tinha tantos anos de diferença em relação a mim, pois recordo que cheguei a jogar à bola com ele naqueles jogos entre as nossas ruas ( zona Praça do Chile) e de facto ele era mais novo que a maioria dos intervenientes, embora já demonstrasse grande jeito para guarda-redes. Saíu da nossa zona muito cedo, penso que por motivo do casamento e só o encontrei quando o SCP veio jogar com o Eléctrico para a Taça de Portugal. Na altura era director do futebol e tocou-me a mim estar de serviço no campo, pois os meus colegas da Direcção foram todos almoçar com o Presidente João Rocha. Não me conheceu,o que era natural, pois desde miúdos, que não nos víamos e quando lhe falei no Pai e nas nossas reuniões na cervejaria dos Perús e de outros pormenores estivemos um bocado a falar da nossa mocidade. O treinador Manuel José estava com pressa de regressar a Lisboa e a conversa teve de terminar. Entretanto fui apresentado ao Jaime Pacheco, que se abeirou de nós.

Tive pena que tivesse morrido tão cedo, pois fez falta ao SCP , pois tal como outros jogadores é uma lenda, que está sempre presente nos nossos pensamentos.

Saudações leoninas Fernando Albuquerque


Comentar post

Autores
Pesquisar
 
Posts recentes

Balanço (2)

O Sporting à frente

Tão preocupado que eu est...

Cuspiram acusações entret...

Os nossos comentadores me...

Balanço (1)

Boas notícias

Liga dos Palpites 2016/20...

Indigno

Os nossos comentadores me...

Arquivo

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Tags

sporting

comentários

memória

bruno de carvalho

selecção

prognósticos

leoas

jorge jesus

vitórias

balanço

há um ano

slb

campeonato

arbitragem

benfica

rescaldo

jogadores

eleições

mundial 2014

taça de portugal

liga europa

godinho lopes

ler os outros

nós

golos

clássicos

árbitros

futebol

euro 2016

comentadores

crise

marco silva

cristiano ronaldo

scp

análise

humor

formação

chavões

liga dos campeões

slimani

todas as tags

Mais comentados
158 comentários
155 comentários
152 comentários
136 comentários
136 comentários
132 comentários
Ligações
Créditos
Layout: SAPO/Pedro Neves
Fotografias de cabeçalho: Flickr/blvesboy e Flickr/André
blogs SAPO
subscrever feeds