Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

O "International Board" da FIFA aprova tecnologia

Uma decisão histórica foi hoje tomada pelo «International Board» da FIFA, o órgão responsável pelas regras do futebol: numa reunião em Zurique, foi aprovada a tecnologia na linha da baliza, com efeito no Mundial de Clubes 2012 em Tóquio, na Taça das Confederações 2013 e no Mundial 2014. Dois tipos de tecnologia serão utilizados, o «Hawk Eye», baseado na utilização de diversas câmaras, e o «Goalref», que utiliza um campo magnético e uma bola especial.

 

Os argumentos em prol desta inovação são bem conhecidos, o que não evita que esta decisão da FIFA seja menos controversa. Não hesito em adiantar a minha discórdia, não tanto pela implementação dos referidos meios para os fins citados, mas muito mais pelo precedente. Entendo que a beleza do futebol, e a discussão que a sua imperfeição provoca, é parte integral do espectáculo, sustentado exclusivamente pelo ser humano, quer seja ele atleta ou árbitro. A partir do momento que se começa a depender em meios tecnológicos, esse componente natural vai desaparecer e, com ele, tudo aquilo que desperta a paixão do mundo pelo jogo. Com o precedente estabelecido e concretizada a satisfação de todos aqueles que são adeptos da medida, muito em breve surgirão outras semelhantes exigências. Uma qualquer tecnologia para o fora-de-jogo, para a grande penalidade, para a determinação da falta, etc., etc., etc.. Por que não eliminar o árbitro completamente e substituí-lo por um robô situado a meio  campo com visão grande angular que dê cobertura ao rectângulo inteiro? No processo, os confrontos entre árbitro e jogador ou treinador também seriam eliminados, porque ninguém se atreverá a discutir com uma máquina que não tem sentimentos e que é incapaz de errar. Não é difícil de prever que a próxima exigência vai ser a utilização de vídeo para rever certos lances de maior grau de dificuldade e sensibilidade. Além de tudo mais, não acredito que a bola especial que terá que ser utilizada no sistema «Goalref» não precipite problemas, tanto com o controlo como com a trajectória. O segundo sistema tem outro componente incontornável: em competições do alto nível internacional, não existirá esse problema, mas assim que for implementado nos campeonatos domésticos, fica por explicar quem vai providenciar as câmaras indispensáveis para o sistema funcionar e, sobretudo, quem vai assumir a despesa. O jogo é o jogo, e não podem existir regras para umas provas e não para outras. Seja o que for, terá, logicamente, que ser implementado globalmente. Nada mais faz sentido.

2 comentários

Comentar post

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D