05 Jul 12

Uma decisão histórica foi hoje tomada pelo «International Board» da FIFA, o órgão responsável pelas regras do futebol: numa reunião em Zurique, foi aprovada a tecnologia na linha da baliza, com efeito no Mundial de Clubes 2012 em Tóquio, na Taça das Confederações 2013 e no Mundial 2014. Dois tipos de tecnologia serão utilizados, o «Hawk Eye», baseado na utilização de diversas câmaras, e o «Goalref», que utiliza um campo magnético e uma bola especial.

 

Os argumentos em prol desta inovação são bem conhecidos, o que não evita que esta decisão da FIFA seja menos controversa. Não hesito em adiantar a minha discórdia, não tanto pela implementação dos referidos meios para os fins citados, mas muito mais pelo precedente. Entendo que a beleza do futebol, e a discussão que a sua imperfeição provoca, é parte integral do espectáculo, sustentado exclusivamente pelo ser humano, quer seja ele atleta ou árbitro. A partir do momento que se começa a depender em meios tecnológicos, esse componente natural vai desaparecer e, com ele, tudo aquilo que desperta a paixão do mundo pelo jogo. Com o precedente estabelecido e concretizada a satisfação de todos aqueles que são adeptos da medida, muito em breve surgirão outras semelhantes exigências. Uma qualquer tecnologia para o fora-de-jogo, para a grande penalidade, para a determinação da falta, etc., etc., etc.. Por que não eliminar o árbitro completamente e substituí-lo por um robô situado a meio  campo com visão grande angular que dê cobertura ao rectângulo inteiro? No processo, os confrontos entre árbitro e jogador ou treinador também seriam eliminados, porque ninguém se atreverá a discutir com uma máquina que não tem sentimentos e que é incapaz de errar. Não é difícil de prever que a próxima exigência vai ser a utilização de vídeo para rever certos lances de maior grau de dificuldade e sensibilidade. Além de tudo mais, não acredito que a bola especial que terá que ser utilizada no sistema «Goalref» não precipite problemas, tanto com o controlo como com a trajectória. O segundo sistema tem outro componente incontornável: em competições do alto nível internacional, não existirá esse problema, mas assim que for implementado nos campeonatos domésticos, fica por explicar quem vai providenciar as câmaras indispensáveis para o sistema funcionar e, sobretudo, quem vai assumir a despesa. O jogo é o jogo, e não podem existir regras para umas provas e não para outras. Seja o que for, terá, logicamente, que ser implementado globalmente. Nada mais faz sentido.

Tags:

comentar
2 comentários:
De Sérgio Nunes a 6 de Julho de 2012 às 16:12
Quando se diz que a introdução desta e outras tecnologias retiram a paixão ao jogo, basta ver o jogos de Rugby (no estrangeiro) e o Campeonato de Futebol Americano e aí perceber que afinal a paixão ainda é maior. Qualquer pessoa ambiciona ir a um estádio de futebol e assistir a um jogo onde apenas contam as competências das duas equipas intervenientes. Eu não gosto de assistir a jogos em que a minha equipa é superior durante 90 minutos e marca um golo que daria a vitória mas um qualquer apitador não valida porque a bola bateu na trave e foi à relva e ele "acha" que não passou a linha de golo.


De Rui Gomes a 6 de Julho de 2012 às 16:31
O parecer expresso não passa de uma mera opinião, ou se desejar, preferência, a minha. Rugby e o futebol americano são desportos distintos e a suas respectivas paixões são incomparáveis ao futebol, que é a modalide número um no mundo, por muito.
Não acompanho o rugby, mas até joguei o futebol americano durante três anos. Conheço-o perfeitamente. Tem uma outra dimensão e é talhado para esse tipo de intervenção com constantes paragens e efeitos colaterais. O «nosso» futebol é vivido 7 dias por sema´na, 365/6 dias por ano. A inerente discussão faz tanto parte do jogo como o jogo em si. Os erros da linha da baliza, ocorrerão, no máximo, meia dúzia de vezes ao ano. Não é uma ocorrência diária. Claro, que quando surgem numa competição internacional o impacto é muito maior e, daí, a acrescida discussão. Aquele que ocorreu na baliza da Inglaterra no Euro 2012, era perfeitamente evitável com o árbitro de baliza a dois ou três metros de distância. Fica por explicar como é que ele não viu a bola atravessar a linha de golo. Mas, reitero, a minha principal contenda até não é os meios tecnológicos na linha da baliza. É o precedente que estabelece, abrindo portas para outras inovações. O futuro dirá quais os benefícios/prejuizos para o futebol com o passar do tempo.


Comentar post

Autores
Pesquisar
 
Posts recentes

Prognósticos antes do jog...

Os nossos comentadores me...

S'é q'ueu gostava de ser ...

A orquestra está mais pob...

A minha costela Jota Jota

Os prognósticos passaram ...

Os nossos comentadores me...

Leituras recomendadas

Por imperativo de cidadan...

A mesma opinião

Arquivo

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Tags

sporting

comentários

memória

bruno de carvalho

selecção

leoas

prognósticos

jorge jesus

vitórias

há um ano

balanço

slb

campeonato

arbitragem

benfica

jogadores

rescaldo

eleições

mundial 2014

taça de portugal

liga europa

godinho lopes

ler os outros

clássicos

golos

árbitros

nós

euro 2016

futebol

comentadores

crise

marco silva

cristiano ronaldo

scp

análise

humor

formação

chavões

liga dos campeões

slimani

todas as tags

Mais comentados
158 comentários
155 comentários
152 comentários
136 comentários
136 comentários
132 comentários
Ligações
Créditos
Layout: SAPO/Pedro Neves
Fotografias de cabeçalho: Flickr/blvesboy e Flickr/André
blogs SAPO
subscrever feeds