Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Esta Espanha não causa assombro

Apesar dos extraordinários talentos à sua disposição, esta Espanha não tem exibido um nível de futebol que causa assombro, pelo menos do calibre a que nos habituou em anos recentes. Não por coincidência, o seu estilo de jogo é uma réplica fiel do que é praticado pelo Barcelona, com uma distinta diferença; não tem no miolo um conhecido argentino para dar seguimento ao seu exasperante «tiki-taka». Mesmo assim, é um temível adversário que não pode, e não vai ser, menosprezado por Portugal. Contrário às teses dos «peritos» cá do burgo, a Espanha, tal como o Barça, é um perfeito exemplo de que o futebol não é um jogo de xadrez onde as peças se mantêm imóveis - num qualquer 4x3x3 ou 4x4x2, etc. - reagindo apenas pelas acções contrárias. O meio campo espanhol, especialmente sem avançados a complementá-lo, é uma constante procura de espaços para receber e prontamente passar o esférico, ao primeiro toque, visando o precioso controlo. Xabi Alonso, Busquets, Xavi, Iniesta e Fábregas são os principais protagonistas desta estratégia, muito embora o excelente atleta do Real Madrid não se veja no seu mais natural «habitat», tanto como médo ofensivo como articulador do «tiki-taka», não obstante a sua ampla capacidade de adaptação. Isto, sem sequer mencionar outro jogador da equipa catalã, o notório Pedro, um dos mais acrobáticos simuladores do futebol mundial, por quem, admito, tenho profunda aversão.

Dispensa-se análise sofisticada para deduzir que a Espanha irá tão longe quanto o seu meio campo a levar e sempre que a prestação deste sector for inferior, por demérito próprio ou por imposição do oponente, a dinâmica e eficácia da equipa sofre. Novamente à semelhança do Barcelona, é um conjunto que joga muito na falta e depende imenso dos critérios benévolos da arbitragem, tanto para amaciar a agressividade da cobertura defensiva do adversário como para assegurar o benefício da dúvida nas lutas de bola dividida. O terceiro jogo da fase de grupos frente à Croácia serve para validar este discernimento - à parte de uma, possivelmente duas, grandes penalidades que ficaram por assinalar - e mesmo perante uma muito inapta França, 90 por cento das disputas de bola que invocaram a intervenção da arbitragem foram decididas a favor da selecção espanhola. No momento em que escrevo, ainda se desconhece o árbitro nomeado para o confronto ibérico, mas não haja dúvidas que existe o potencial para os seus critérios, especialmente no jogo a meio campo, virem a ter vincada influência no desfecho desta meia-final do Euro 2012. 

 

Adenda: Agora que já é conhecida a (suspeita) nomeação do árbitro turco Cuneyt Çakir, veremos o impacto que os seus critérios terão no jogo, mediante o que escrevi neste post há dois dias atrás. É de recordar que quem manda na arbitragem da UEFA é o espanhol Angel Villar e o turco Senes Erzik.

4 comentários

Comentar post

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D