Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

A ver o Europeu (8)

Vinte remates portugueses à baliza de Petr Cech e apenas dois remates checos à baliza de Rui Patrício. Esta estatística diz quase tudo sobre o jogo dos quartos-de-final disputado hoje no Estádio Nacional em Varsóvia: ataque continuado dos portugueses, que dominaram toda a segunda parte com clara superioridade técnica e técnica sobre a selecção checa, campeã das faltas neste Europeu. Só houve equilíbrio entre as duas equipas nos primeiros 20 minutos do encontro, disputado num relvado em péssimo estado - algo indigno de uma competição de alto nível como o Euro 2012 é.

Os checos, apesar de terem descansado mais 24 horas dos que os portugueses, mostraram condição física muito inferior. E nunca revelaram soluções tácticas para romper a muralha defensiva portuguesa. À medida que a selecção de Paulo Bento ia progredindo no terreno, tornava-se evidente qual era a selecção que passaria às meias-finais. Só faltava afinar a pontaria à frente: Cristiano Ronaldo, repetindo o que já sucedera contra a Holanda, voltou a rematar duas vezes ao poste.

Mas tantas oportunidades teriam forçosamente de se concretizar num golo, aliás só adiado por mérito de Cech. Aconteceu aos 78', novamente com a assinatura de Ronaldo - de longe o melhor em campo, tal como acontecera no jogo anterior. Agora há que preparar o próximo confronto, com a Espanha ou a França - antecipadamente convictos que todos os cenários são possíveis. Paulo Bento e os seus jogadores têm o direito de sonhar com o título europeu. E até hoje não vi neste Europeu nenhuma equipa que o merecesse tanto.

 

Portugal, 1 - República Checa, 0

.................................................

Os jogadores portugueses, um a um:

 

Rui Patrício - Acabou por ter menos trabalho do que se pensaria. Mas quando foi chamado a intervir voltou a revelar a segurança já exibida nos jogos anteriores.

 

João Pereira - Outra partida em bom nível, reeditando a exibição contra os holandeses. Venceu no confronto directo com Pilar, que era apontado como o mais perigoso dos checos. E apoiou com frequência o ataque português. Fez um remate aos 82', só travado por uma defesa difícil de Cech para canto.

 

Bruno Alves - Voltou a formar com Pepe a "dupla de betão" na defesa portuguesa que tem vindo a ser elogiada pela imprensa internacional. E, sempre que houve oportunidade, foi à baliza checa para tentar um golo de cabeça. Uma actuação sem erros.

 

Pepe - Seguro, sereno e sólido. É um sério candidato a melhor defesa central deste Europeu.

 

Fábio Coentrão - Voltou a movimentar-se muito bem no seu corredor. Partiu dele o primeiro sinal de perigo da nossa selecção, com duas grandes arrancadas, aos 23' e 24'. Nunca deixou de apoiar as linhas ofensivas, ganhando praticamente todos os confrontos individuais com os checos.

 

Miguel Veloso - Um pouco mais discreto do que em jogos anteriores, continuou a ser muito influente como médio defensivo. Recebeu um cartão amarelo, talvez escusado, aos 24'.

 

Raul Meireles - Foi a sua melhor partida neste Europeu. Ajudou a fechar o flanco esquerdo com eficácia, facilitando os raides de Coentrão. Sempre com grande disciplina táctica. Perdeu uma excelente oportunidade para marcar: Ronaldo ofereceu-lhe um golo. Retribuiu logo a seguir com um grande passe para Nani. Substituído aos 88'.

 

João Moutinho - Incansável no comando do meio-campo português. Sempre muito vigiado por Plasil, foi-se libertando com sucesso da marcação. À medida que a partida se desenrolava, ia consolidando mais uma grande exibição, coroada com um fortíssimo remate que Cech defendeu com dificuldade (63') e com o soberbo passe junto à linha, do lado direito, que resultou no golo.

 

Nani - Continua a ser um dos portugueses mais influentes. Só lhe falta assinar um golo para confirmar a sua grande prestação neste Europeu. Na primeira parte, esteve mais nervoso do que é costume, acabando por receber um cartão amarelo (24'). Fez um grande passe para Hugo Almeida e merecia ter marcado aos 74'. Saiu aos 88', justamente aplaudido.

 

Cristiano Ronaldo - Muito marcado na primeira parte, sobretudo por Jiracek, foi-se soltando e acabou por fazer outra partida de grande nível, revelando-se o melhor jogador em campo. Não só pelo golo de cabeça aos 78', mas pelas duas bolas que rematou ao poste (e vão quatro neste Europeu) e pela atitude combativa que soube mostrar do princípio ao fim.

 

Helder Postiga - Saiu aos 39', com uma lesão muscular, dando lugar a Hugo Almeida. Jogou apenas no período menos exuberante da selecção portuguesa, sem oportunidade para demonstrar nada de especial.

 

Hugo Almeida - Mais dinâmico do que Postiga, manteve os defesas centrais checos sempre alerta. Chegou a marcar, aos 58', mas estava fora de jogo. No lance do golo, intervém com uma simulação sem bola que confundiu Cech e abriu caminho ao disparo vitorioso de Ronaldo.

 

Custódio - Entrou aos 83' para o lugar de Raul Meireles numa fase em que a selecção nacional praticava um jogo de maior contenção. Tacticamente muito disciplinado.

 

Rolando - Substituiu Nani aos 88'.

 

10 comentários

Comentar post

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D