22 Abr 12

«A vitória do Real Madrid por 2-1 sobre o Barcelona pôs a fim qualquer aspiração do Barça ao título e terminou com o seu reinado de três anos como campeões de La Liga. E enquanto o triunfo da equipa de Madrid foi merecido, houve acrescida recompensa devida por ser Cristiano Ronaldo a marcar o golo vitorioso, escassos momentos após Alexis Sanchez ter igualado o marcador.Um empate não teria sido catastrófico para a equipa de Mourinho, mas a finalização impecável de Ronaldo, por passe de boa medida por Mesut Ozil foi fatal. Nas úlimas duas épocas o Barcelona e Lionel Messi têm vindo a exercer direitos sobre quase os troféus todos, enquanto Ronaldo e Real Madrid têm-se limitado às sobras. Tudo isso chegou ao seu termo».

«Cristiano Ronaldo selou a vitória com o seu 42.º golo já na fase final do jogo, batendo o seu próprio recorde na Liga e garantindo a vitória por 2-1 que impôs a primeira derrota ao Barcelona em 55 jogos caseiros , efectivamente interrompendo o domínio de três anos dos gigantes da Catalunha. O triunfo da turma de Madrid foi o 19.º jogo consecutivo no campeonato sem sofrer derrotas e dá-lhe uma margem de sete pontos com apenas quatro jogos por jogar. Foi a primeira vitória dos madridistas no Camp Nou desde 2007 e a primeira do técnico José Mourinho em dez visitas. No resumo final, o Real Madrid tabém estabeleceu um outro novo recorde pelo maior número de golos marcados (109) durante um campeonato».


comentar
15 comentários:
De pedro oliveira a 22 de Abril de 2012 às 19:37
No Canadá não percebem grande coisa de futebol é mais hóquei no gelo, não é?
(estou a ver o nosso Sporting, mais logo comentarei a tão «elogiada» vitória de Mourinho com um golo em "off-side" e por um resultado que o eliminaria, se duma eliminatória se tratasse)


De Rui Gomes a 22 de Abril de 2012 às 21:35
Para quem desconhece, os jornalistas no Canadá que fazem as reportagens sobre futebol são, na sua vasta maioria, oriundos da Europa, nomeadamente da Inglaterra. Além de tudo mais, exercem a profissão com total profissionalismo, imparcialidade e objectividade, atributos muito escassos em Portugal e algures. Quanto à evidente azia que sente sobre a indiscutível vitória do Real Madrid, mais comentários não são necessários. Já disse tudo.


De pedro oliveira a 22 de Abril de 2012 às 22:47
Agradeço a informação sobre a proveniência dos jornalistas de futebol, o que confirma a minha opinião/questão.

Quanto à suposta azia que sinto, reportando-me, só a esta época e a confrontos entre Barça e Real:
A. Supercopa (supertaça); Barcelona vence com um total de 5 - 4 (3-2 / 2-2)
B. Copa del Rey (taça do rei, quartos de final); Barcelona vence, elimina o Real com um total de 4 - 3 (2-1 / 2-2)
C. La Liga (campeonato); Barcelona no total venceria por 4-3 (3-1 / 1-2)
Balanço total, em seis jogos o Barcelona venceu três jogos em Madrid, um deles pela diferença de dois golos e perdeu, apenas, um, pela diferença de um golo; conclusão: Mourinho e Cristiano são uns heróis e Guardiola e Messi uns perdedores.



De Rui Gomes a 22 de Abril de 2012 às 23:13
Compreendo perfeitamente, como aparente adepto do Barcelona, que não tenha apreciado a derrota de ontem, está no seu pleno direito. O que sinto imensa dificuldade em dissecar é como as crónicas dos jornais canadianos se relacionam com esse seu mal estar, uma vez que se limitam a relatar os factos da ocorrência. Uma delas ainda menciona que a vitória foi justa, a outra nem sequer opina sobre essa vertente. No entanto, isso dá-lhe o direito de dirigir insinuações infundadas sobre um «milieu» que lhe é totalmente alheio. Nem os jornalistas, nem eu, no meu comentário, invocámos quaisquer dúvidas sobre as prévias conquistas do Barcelona. Não me dei ao trabalho de alongar ainda mais o post original mas, de desejasse, poderia ter publicado, literalmente, dezenas de crónicas de todo o mundo que reconhecem o mérito da vitória madridista. Não concorda, tudo bem...
Cumprimentos.


De pedro oliveira a 22 de Abril de 2012 às 23:34
Não concordo porque tenho uma visão romântica do futebol, acredito que o futebol se joga com a bola nos pés, logo uma equipa que abdica de ter a bola durante 70% do jogo não tem nem o meu reconhecimento nem o meu apreço.
Gosto muito do Barcelona como clube pelo ecletismo que comparo com o do Sporting e no futebol em especial pelas semelhanças que encontro com o nosso clube:
1. O treinador foi internacional A e jogador do clube, tendo começado por treinar os escalões de formação
2. São ambos mais que um clube (têm uma vertente social que assenta em valores morais. Vencer a qualquer custo não é o mais importante nem é admissível)
3. Têm ambos excelentes escolas de formação de talentos/jogadores que são aproveitados na equipa principal
O Barcelona está para a Catalunha como o Sporting está para Portugal, no caso do Barcelona é a bandeira duma região autónoma, no caso do Sporting é a bandeira dum país.
Para comparar com outros clubes portugueses, o Porto, o Setúbal, o Guimarães, o Olhanense são bandeiras de cidades e o Benfica é a bandeira de dois bairros de Lisboa, o de Carnide onde se situa e o de Benfica que carrega no nome.
Cumprimentos e saudações leoninas


De Rui Gomes a 23 de Abril de 2012 às 01:06
Caro Pedro Oliveira,

Permita-me as seguintes observações: Tenho por hábito dizer que os gostos são discutíveis, mas as preferências não, por serem da pertença exclusiva de cada um. Por isto, respeito a sua. Salvo aqueles clubes em que estive envolvido como dirigente técnico ao longo dos meus muitos anos no futebol, só sou verdadeiramente adepto de um outro, o Sporting. Pelos diversos restante e por motivos variados tenho apenas simpatias. Sinto-as actualmente pelo Real Madrid, sobretudo, pelo meu respeito e admiração pelo José Mourinho, que conheço pessoalmente, pelo Cristiano Ronaldo porque o considero o melhor jogador do mundo e pelo clube incluir a soma de sete elementos portugueses, algo inédito no mundo do futebol ao nível mais elevado. Isto dito, estes meus sentimentos durante muitos anos, no que ao campeonato espanhol concerne, recaíam sobre o Barcelona, por razões simples de explicar. Fui um grande fã do Johan Cruyff, enquanto jogador, viu-o jogar pessoalmente em diversas ocasiões, mesmo enquanto no Barça entre 1973 e 1978. O meu apreço por ele aumentou consideravelmente a partir de 1988 quando ele tomou conta da equipa e por ali ficou até 1996. O actual mérito do Barcelona deve-se muitíssimo mais a ele do que ao Guardiola ou ao Messi. Quando ele começou, o Barça já não vencia o campeonato há cinco anos e, antes disso, há onze, e com ele venceu quatro consecutivos, entre outros notáveis troféus, incluindo, se a memória não me falha, uma Taça dos Campeões Europeus e da UEFA.
Não menosprezo os actuais participantes mas há longo que é reconhecido que foi a filosofia futebolística do Johan, tanto na vertente técnica como organizativa, que relançou o Barça no seu percurso vitorioso. E ele jogava um futebol guerrido, rasgado e virtuoso, não o tic-tac da actual equipa que eu não aprecio, minimamente. Se todos jogassem assim, o mundo do futebol adormecia. Os resultados com este estilo de jogo devem-se parcialmente a Messi mas muito mais aos dois génios do meio campo, Xavi e Iniesta. Quando estes se retirarem, e não vai levar muito tempo, nem o Barcelona nem o próprio Messi vão poder manter este sistema de jogo. Este meu parecer apenas reflecte a minha preferência futebolística, nada mais.
Quanto ao jogo de sábado, não existiu nenhum golo em fora de jogo e já vi o jogo duas vezes, com as respectivas repetições. Se, como o José Manuel Barroso cita, houve manipulações de imagens televisivas, o que occore frequentemente, isso é outra conversa. Ao vivo e bem revisto, não há fora de jogo. Não considero o que Dani Alves fez fora deste mundo mas se tivesse sido o Pepe, por exemplo, teria-lhe caído em cima o carmo e a trindade e teria sido «linchado» em campo. Bom jogador esse Alves, mas não tem ética nenhuma desportiva, e isso já não é de agora. Bem, já fui longe de mais. Como palavra final, escolhi as reportagens canadianas, pela grande distância, mas podia optado por muitas europeias, da América do Sul ou da Ásia, com idênticos resultados. Perante factos não há discussão. O Barcelona mereceu vencer outros embates com o Real Madrid, mas não este e o título vai ser deles. Será o jogo do ano se eles se econtrarem novamente na final da Champions. Veremos. Saudações cordeais.


De Jose Manuel Barroso a 22 de Abril de 2012 às 23:35
Rui, ele é tão anti, tão anti, tão anti, que até vai descobrir que o Cristiano Ronaldo, antes de marcar o segundo golo, devia ter sido expulso por ter mostrado ao intelectual Daniel Alves (esse que fala mal de Portugal, dando 'lições' de história de favela ao Mourinho!) as marcas dos pitons dele na barriga, ahahah...


De Jose Manuel Barroso a 22 de Abril de 2012 às 23:28
Os técnicos do apito, em Espanha, dizem que não é. Na tv tambem não parece. Só no culé jornal Sport é fora de jogo (uma foto com a imagem segundos depois do movimento, como prova... manipulada, para os adeptos do Barça). Mas há pessoas que são tão anti, tão anti, tão anti que conseguem ver um outrojogo no jogo. safa!


De Rui Gomes a 23 de Abril de 2012 às 01:08
Zé Manel, refiro-o à extra-longa explicação que enviei ao nosso co-sportinguista Pedro Oliveira. Ab


De Rui Gomes a 23 de Abril de 2012 às 01:39
Por circunstâncias imprevistas (uma amiga adepta do Real Madrid acabou de chegar de Cuba) fui «obrigado» a ver o jogo uma segunda vez, com as respectivas repetições, análises pós jogo, etc., e não existe fora de jogo. Existiram dúvidas sim, quanto ao lance em que lhe foi invalidado o golo mas eventualmente verificou-se que a decisão do árbitro foi correcta.


De Rui Gomes a 23 de Abril de 2012 às 02:09
Uma observação final Zé Manel. Já deve ter verificado que a referida manipulação da imagem surge com alguma frequência nos programas desportivos portugueses. Ou seja, o offside, ou não, conta a partir do momento que a bola é pontapeada e não quando ela está imóvel nos pés do eventual pontapeador. Basta manipular a imagem por uma mera fracção de segundos e a percepção da audiência é vincadamente diferente. Durante os jogos eles não têm tempo para efectuar essa medida. O que normalmente se vê mais é a não repetição de certos lances «inconvenientes».


De pedro oliveira a 23 de Abril de 2012 às 06:59
Caros Rui e José Manuel,

Não tive ainda oportunidade de ver o jogo, logo o que referi foi após a leitura de jornais espanhóis "on-line", nomeadamente, o Sport onde está a tal imagem que a ser manipulada, esclarece a questão.
Os jornais em papel portugueses não falam do jogo, propriamente, dito, com dados que gosto de ver, passes, remates, remates perigosos, posse de bola no meio campo adversário, etc. se me dizem que o Real foi superior nesses pontos, acredito, pois como já referi não vi o jogo.
O meu primeiro comentário foi feito em tom algo irónico e tinha a ver com o histerismo que a imprensa desportiva falou da vitória do Real em Barcelona (A Bola até fala em Camp Mou) o que na minha opinião é um exagero.
Rui, quanto à importância do génio holandês que conheço e reconheço tem toda a razão, lá está, no Barcelona há uma política de continuidade, o clube é mais importante que o presidente ou o treinador, no Real há uma fulanização, a meu ver excessiva; no dia que Mourinho e o seu exército de mercenários (no bom sentido) abandonarem o clube , apenas, restará terra queimada, uma ou duas taças do Rei e uma La Liga ou assim.
Apesar do que disse atrás não acho que no Chelsea e no Inter tenha acontecido isso (ao contrário da opinião generalizada que existe) Grant foi a uma final da Champions (coisa que José não conseguiu ao serviço ao serviço dos ingleses) na época em que Mourinho foi despedido e Rafa Benitez foi campeão mundial de clubes ao serviço do Inter, título que o setubalense na sua longa carreira nunca conquistou.
Um abraço a ambos e que quinta-feira consigamos ultrapassar o «mini-barça» de Bielsa, rumo a Bucareste, como diziam os cachecóis do jogo.


De Jose Manuel Barroso a 23 de Abril de 2012 às 16:29
Meu caro Rui: está a ver como foi na 'mouche' aquela da fonte, para a análise do Pedro, ser a foto do Sport?
Meu caro Pedro: o que o Mou tem tentado fazer no RM é, precisamente, passar a mensagem de que o clube é o mais importante. Outro ponto: Rafa, um treinador de classe, ganhou a Intercontinental com o Inter de... Mourinho. Mas parece-me que o curriculo de Mou não tem paralelo, para um percurso tão curto como treinador.
SL


De Jose Manuel Barroso a 23 de Abril de 2012 às 16:30
Meu caro Rui: está a ver como foi na 'mouche' aquela da fonte, para a análise do Pedro, ser a foto do Sport?
Meu caro Pedro: o que o Mou tem tentado fazer no RM é, precisamente, passar a mensagem de que o clube é o mais importante. Outro ponto: Rafa, um treinador de classe, ganhou a Intercontinental com o Inter de... Mourinho. Mas parece-me que o curriculo de Mou não tem paralelo, para um percurso tão curto como treinador.
SL


De Rui Gomes a 23 de Abril de 2012 às 16:44
É verdade Zé Manel, argumento sustentado por uma foto manipulada pelo jornal Sport. Quanto ao Mourinho, vou-lhe ser franco. Quando o conheci em 1993 por apresentação do Manel Fernandes no antigo José Alvalade, era ele na ocasião um simples e muito pobre tradutor de Bobby Robson, fiquei mal impressionado pela sua já visível arrogância e maneira de ser, em geral. Com o passar dos anos, o conhecimento tornou-se mais profundo e acabei por respeitar e admirar o seu incomparável trabalho que vai ficar em lugar de relevo na história do futebol mundial. Pode até não ser muito simpático, mas tornou-se num treinador fabuloso. Adorava que ele e
resto da «tropa» portuguesa ganhassem a Champions. Seria um feito inédito !


Comentar post

Autores
Pesquisar
 
Posts recentes

No futebol nada é eterno

O perfume de Lídia Faria

Vale tudo

Os postais do Martinho de...

Esperança e fé

Os nossos comentadores me...

Tudo ao molho e FÉ em Deu...

Bom ou mau sinal?

Banho quente...

Qué's ver que a culpa ain...

Facebook
És a Nossa Fé no Facebook
Twitter
És a Nossa Fé no Twitter
Arquivo

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Tags

sporting

comentários

memória

selecção

leoas

bruno de carvalho

prognósticos

balanço

jorge jesus

slb

há um ano

vitórias

campeonato

benfica

jogadores

eleições

rescaldo

arbitragem

mundial 2014

taça de portugal

nós

golos

ler os outros

liga europa

godinho lopes

futebol

árbitros

clássicos

euro 2016

comentadores

cristiano ronaldo

scp

humor

formação

análise

crise

chavões

liga dos campeões

derrotas

william carvalho

todas as tags

Mais comentados
158 comentários
155 comentários
152 comentários
142 comentários
138 comentários
136 comentários
132 comentários
Ligações
Créditos
Layout: SAPO/Pedro Neves
Fotografias de cabeçalho: Flickr/blvesboy e Flickr/André
blogs SAPO
subscrever feeds