Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

Uma crença, só pode ser isso

 Campeões nacionais de atletismo 1976. Reconhecíveis ao centro: Armando Aldeagalega, Carlos Lopes, Fernando Mamede; yours truly é o 4º a contar da esq. 

 

- Obrigado Pedro Correia, por me ter convidado para o coro desta igreja!

 

Não me lembro da primeira vez que fui à bola. Mesmo antes de me conhecer, certos Domingos à tarde ia pela mão de meu pai a Alvalade. Lembro-me de sempre lhe pedir para comprar um daqueles chapeuzinhos de cartolina cónicos, que eu achava divertidíssimos e práticos, e ele demitir tal ideia com um incontestável não sejas piroso. E foram tantas as vezes que ele cedeu em comprar-me uma bandeirinha do Sporting, quantas as que as perdi no tropel da multidão à saída.

Durante a adolescência odiei o futebol, sobretudo o do Sporting. Então nós, os do atletismo (e já agora, os do andebol, do hóquei, do boxe, do tiro, do ténis de mesa, do basquete), é que ganhávamos as taças e os trambolhos do pontapé na bola passeavam pelos corredores do 10A armados em bons? Só não fiz rugby no Sporting porque da modalidade o Sporting apenas ficou com as camisolas, mas acabei por jogar na Agronomia que também se equipava às riscas verdes e brancas, embora fininhas.

Quando li “Fever Pitch” de Nick Hornby, tive a sensação que ele plagiara o livro que eu não havia escrito. Também não sei o que responder quando ela me pergunta “em que estás a pensar?”, porque estou a pensar na tática do Sporting, o que é digno de uma admoestação conjugal com justa causa; também a mim me bastaria ser recordado como um sportinguista quando fosse a enterrar.

Perdoem a vaidade, mas não autorizo ninguém a dizer que é mais sportinguista que eu. E tenho métrica para arrasar qualquer veleidade de comparação: 1) sócio há mais de 50 anos; 2) dois lugares cativos no estádio (setor 3, fila 23, 9&10) depois de ter tido dois lugares no estádio antigo, enquanto ele durou; 3) contribuí em pelo menos 5 taça, das que refulgem na sala dos troféus. Apenas concedo primazia à Sra. D. Maria José Valério e, por razões diferentes, ao Paulinho.

Só em duas ocasiões chorei em Alvalade. A primeira aconteceu na noite de 24 de Outubro de 1990: quando Bozinowski estampou o sétimo selo nos atarantados romenos do Timisoara, transportado pela euforia virei-me para abraçar o meu pai, esquecendo que ele tinha morrido na semana anterior. A outra foi num álgido fim de tarde de Maio de 94, quando o petulante Queiroz (nunca lhe perdoei e sempre tive razão!) substituiu o Paulo Torres pelo Pacheco e vi um dique rebentar, por onde jorrou uma pestilência avermelhada – até os céus choraram comigo nesse crepúsculo.

Resgatei-me de tais mágoas em 1999 quando cumpri a promessa de andar um dia com o cabelo tintado de verde.

O Sporting tem-me dado mais penas do que alegrias, é verdade, mas o que querem – é a vida…

1 comentário

Comentar post

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D