Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Onde tu fores jogar, eu vou lá estar.

Podem dizer que não ganhamos há uns jogos.

Podem dizer que já não metemos medo a ninguém.

Podem dizer que estamos com uma falta de confiança que se sente do outro lado da televisão.

Podem dizer que o Marvin não sabe atacar.

Podem dizer que o Marvin não sabe defender.
Podem dizer que o Schelotto só sabe correr e não sabe fazer um passe.

Podem dizer que o William decidiu mostrar em má altura que é um comum mortal.

Podem dizer que o Bryan parece que envelheceu dez anos em dois meses.

Podem dizer que o Elias... Bom, podem dizer o que quiserem do Elias.

Podem dizer que o Markovic se esqueceu do que é jogar à bola.

Podem dizer que o Jesus é teimoso.

Podem dizer que o André, Campbell, Castaignos e afins são piores que o Matheus.

 

Podem dizer isso tudo, e provavelmente têm razão. Mas nós somos o Sporting Clube de Portugal, e desistir não nos está no sangue. É por isso que amanhã estarei a entrar num avião para na 4ª estar lá, a gritar pelos nossos.

 

Porque onde tu fores jogar, eu vou lá estar. E não é para assobiar ou vaiar. Onde tu fores jogar, eu vou lá estar para te apoiar.

É tempo de recuperar a equipa

Os adeptos na Madeira protestaram ruidosamente. E com toda a razão: não podemos compactuar com a falta de atitude revelada pelos jogadores frente ao Nacional.

Espero que os responsáveis leoninos - do presidente ao treinador - se deixem enfim de questões laterais e se concentrem na recuperação da equipa.

Não é tempo para desperdiçar energias com comunicados consecutivos, bravatas nas redes sociais, falatório em excesso, almanaques de mil novecentos e troca o passo, "vídeos motivacionais" da treta e alarido na praça pública a propósito de cem assuntos secundários enquanto se perde de vista o essencial.

É tempo de a direcção olhar mais para o Sporting e menos para os rivais. Venho escrevendo isto há semanas e sinto o imperativo de o reiterar aqui.

 

Leitura complementar:

Breves notas a propósito do jogo de sábado

Devemos imitar Gelson Martins

Contra a apologia das vitórias morais

Esforço, dedicação, depressão e...

A verdade é que já está toda a gente farta destas crises recorrentes do Sporting, que aparecem sabe-se lá porquê e vindas sabe-se lá de onde. Ainda mais fartos estão os adeptos que continuam a conseguir encher estádios mesmo com a carreira medíocre das últimas décadas. Não é de certeza por eles que as crises aparecem. O treinador e os jogadores estão com a neura? Estão deprimidos? Então é melhor tratarem-se. Quando passar, avisem.

Isto são só umas horas, depois passa. Mais ou menos.

Nada está perdido, não se trata disso. E quanto a esse tema, gostava de partilhar o que diz o Sportinguista.

Além de também eu não ter desistido, há três pontos que saliento deste post:

Exijo que saibam o que o Sporting representa para os adeptos e que carregam uma bandeira (...)

Exijo que sejam profissionais na mesma medida do nosso amor

Exijo que percebam a sorte que é ser do Sporting;

Não há muito mais a dizer a seguir aos dois últimos jogos. Ou quatro, vá, mas nos dois últimos foi mais evidente uma ineficácia que não deixa muitos argumentos. Com o Dormund houve atitude e em Guimarães três golos. Não é um caso em particular, e isto não quer dizer que está tudo mal na equipa. Temos bons centrais, um Schelotto que começa bem, descarrila pelo meio e corre para apanhar o fim, Um Bas Dost que não tem culpa que não lhe chegue sempre a bola. Não é uma culpa de alguém em particular, mas também não é mérito de nenhum. Vendo a cara do Ruben Semedo no final do jogo, percebe-se que não somos só nós a achar que aquele resultado soube a derrota. E não é saber a derrota por merecermos mais um golo - que até merecíamos -, ou erro do árbitro, ou anti-jogo - que também existiu, não discuto isso. É saber a derrota porque sabemos e podemos mais que isto.

Queriamos estar todos alinhados, estamos agora? Estamos unidos num "Ok, alguma coisa tem de mudar nestes jogos"? Espero que sim, é essa sintonia que faz um clube.

Isto passa-me, nem sequer está em causa quarta-feira estar em frente a uma TV às 19:45. Mas que mói, mói.

Pódio: Coates, Gelson Martins, Schelotto

Só por curiosidade, aqui fica a soma das classificações atribuídas à actuação dos nossos jogadores no Nacional-Sporting pelos três diários desportivos:

 

Coates: 14

Gelson Martins: 14

Schelotto: 14

Bruno César: 13

Rúben Semedo: 13

Rui Patrício: 13

Campbell: 11

Bryan Ruiz: 11

Bas Dost: 11

Markovic: 10

William Carvalho: 10

Marvin: 9

Alan Ruiz: 8

Elias: 6

 

A Bola elegeu Gelson Martins como melhor sportinguista neste jogo. O Record optou por Coates. O Jogo não escolheu nenhum.

Responde a isto, Jesus

 

Desde quando o William Carvalho é marcador de penáltis?

 

Que mais é preciso o Markovic (não) fazer para o deixares no banco?

 

Ainda não percebeste que o Marvin nem na equipa B deve jogar?

 

Quanto tempo vais demorar a apostar no Matheus Pereira?

 

O Podence, o Palhinha e o Francisco Geraldes voltam em Janeiro?

 

Porque continua o Castaignos sem calçar neste tempo de castanhas?

 

Mandaste vir o Meli para quê?

 

Assim fica difícil! Ideias para pensar

Esta semana foi-me dito que antes de o jogador sair, em Guimarães, o joelho de Adrien já vinha dando problemas, sendo uma questão de tempo até parar. Fui ainda informado de que Adrien em Guimarães não saiu por causa do joelho e que aproveitou a pausa forçada por outra lesão para ser operado ao joelho. Também me disseram que, além da diferença de valor que iria auferir caso saisse para Inglaterra, Adrien via essa como uma das suas últimas oportunidades de sair, quem sabe com medo de que os problemas físicos prejudicassem o seu rendimento e a possibilidade de ser transferido. Agora o que me faz confusão é como o Sporting não sabia isso, ou, sabendo, gastou milhões em jogadores cujo rendimento ainda está por provar, em vez de salvaguardar uma alternativa. E atenção que eu acho que já existiam no clube duas boas alternativas, Francisco Geraldes e Bruno Paulista, e que foi contratado um jogador que em forma pode ser uma boa alternativa, Marcelo Meli.

Esta discussão das alternativas e das contratações tem muito que se lhe diga, como por exemplo, a que se deve o eclipse de Matheus Pereira, ainda para mais com Bryan Ruiz visivelmente esgotado? Porque se empresta Palhinha e se contrata um jogador para o seu lugar que nunca é opção? Porque é que, gostando-se ou não, não foi contratado um jogador com as caracteristicas de Teo Gutierrez, para jogar ao lado de Bas Dost?

Para finalizar deixo-vos uma questão, tendo em conta as declarações de Jorge Jesus após a melhor exibição da época, em Madrid, e a postura de alguns jogadores, depois desse jogo. Não poderão existir questões mal resolvidas no seio do clube?

É verdade que a comunicação tenta desestabilizar muito, mas, normalmente, onde há fumo, há fogo e neste caso há muita coisa por explicar

Os nossos jogadores, um a um

Uma equipa à deriva, sem médio de construção, com a ala esquerda coxa, um segundo avançado ausente e erros primários que não se perdoam na alta competição - incluindo um penálti falhado por William Carvalho, como se não houvesse outros jogadores mais indicados para apontar o castigo máximo. Terceiro empate consecutivo do Sporting no campeonato - desta vez a zero, frente ao Nacional. Já com o líder do campeonato a sete pontos.

Hoje o descalabro colectivo contaminou alguns dos nossos melhores jogadores - de Rui Patrício a William, de Coates a Bruno César.

Markovic e Marvin foram as nulidades habituais, Elias só não os imitou porque apenas entrou ao minuto 87. E o argentino Alan Ruiz, também suplente utilizado, continua sem demonstrar porque foi um jogador adquirido por tão elevado preço.

Incapazes de marcar, sofremos ainda um enorme calafrio à beira do fim do encontro, quando o Nacional viu uma bola embater na trave. Podemos, portanto, ainda concluir que tivemos sorte.

 

............................................................................

 

RUI PATRÍCIO (4). Grandes reflexos aos 26', impedindo um golo. Mas pareceu quase sempre  intranquilo. Uma defesa atabalhoada quase originou autogolo (64'), uma saída em falso da baliza foi brinde que o Nacional desperdiçou (89').

SCHELOTTO (5). Vontade não lhe faltou. Mas faltou-lhe talento para centrar com ponderação. Desperdiçou demasiadas energias em lances inconsequentes. No seu melhor cruzamento, aos 72', a bola não encontrou ninguém.

COATES (4). Ganhou um penálti aos 7': de nada nos valeu. Corte primoroso aos 14'. Depois foi acumulando erros e falhando sucessivos passes. Ultrapassado aos 64' por Ricardo Gomes, que esteve a centímetros de marcar.

RÚBEN SEMEDO (5). O menos mau do Sporting. Desequilibrou diversas vezes, conduzindo a bola de trás para a frente. Tentou remar contra a maré, quase sempre sem sucesso. Podia ter marcado na sequência de um livre (87').

MARVIN (2). Incapaz de fazer um cruzamento enquanto se arrastou em campo, tornando inútil todo o nosso flanco esquerdo. Nunca fez a diferença em lance algum. Substituído - muito tardiamente - aos 87'.

WILLIAM CARVALHO (3). O jogador que parece mais perdido com a ausência de Adrien. A forma desleixada como apontou o penálti, deixando o guardião Rui Silva defender, foi um forte contributo para o desaire anímico da equipa.

BRUNO CÉSAR (4).  Entrou como médio de construção mas nunca foi eficaz, sem conseguir rasgar linhas de passe. Incapaz de fazer a diferença na marcação das bolas paradas: aos 81' marcou muito mal um livre. Acabou a lateral.

GELSON MARTINS (5).  Fez talvez o jogo mais apagado desta época. Ainda assim, esteve quase a marcar com um grande remate (21'). Tentou melhorar a mecânica colectiva da equipa nas transições ofensivas, mas foi um homem só.

BRYAN RUIZ (4).  Continua a ser uma sombra do que foi na época passada. Triste, apagado, pouco dinâmico, errante em campo, aparentando falta de pulmão. Bom cruzamento aos 29': Bas Dost desperdiçou. Substituído aos 64'.

MARKOVIC (2). Passou ao lado do jogo: começa a tornar-se um hábito. Revelou frequentes erros de posicionamento, perturbando o raio de acção de Gelson. Quando Jesus o mandou sair de campo, aos 59', já foi tarde..

BAS DOST (3). Fraco balanço do internacional holandês: fez dois remates enquadrados com a baliza, desperdiçando ambas as oportunidades, atirando a bola por cima e ao lado. Incompreensível não ter sido ele a marcar o penálti.

ALAN RUIZ (2). Reapareceu na equipa, entrando aos 59'. Aos 68', falhou ridiculamente um pontapé de meia distância - espelho perfeito do desnorte da equipa. Parece incapaz de abordar um lance sem fazer falta.

CAMPBELL (5). Entrou aos 64', rendendo Bryan Ruiz. Revelou mais vontade de domínio de bola e mais confiança do que o compatriota, patente num grande passe aos 75' para Bruno César, derrubado com penálti não assinalado.

ELIAS (4). Substituiu Marvin aos 87', com pouco tempo para dar a volta ao jogo. Mas o brasileiro ainda tentou, ao infiltrar-se na grande área do Nacional já no tempo extra, servindo Bas Dost, que concluiu mal o lance.

Cardiologia

Parece que o João Lobo Antunes não era apenas um excelente neurologista mas também um excelente cardiologista. Vi o jogo de hoje com a frase dele na cabeça, aquela que o Filipe Moura aqui pôs: "o Sporting só me dá alegrias; quando ganha é uma alegria, quando perde é um hábito". De facto, o coração sossega imenso quando se olha para os jogos assim. Só é pena que isso corresponda à irrelevância do Sporting.

Rescaldo do jogo de hoje

Não gostei

 

Do desempenho do Sporting. Foi um jogo lamentável - tão mau ou pior do que o anterior, frente ao Tondela. A equipa anda à deriva, apática, com uma gritante falta de atitude e uma clamorosa falta de empenho por parte de vários jogadores. Hoje não conseguiram melhor do que um empate a zero frente ao Nacional, na Choupana. No mesmo palco e perante o mesmo conjunto que há um ano tínhamos vencido 6-0.

 

De William Carvalho. Aos 7', Coates foi derrubado dentro da grande área. Penálti claro, desperdiçado pelo capitão da equipa com um remate frouxo e muito denunciado. Oportunidade perdida. Não voltámos a ter outra assim.

 

Do treinador. É incompreensível que Jorge Jesus tenha indicado William como marcador da grande penalidade, quando é sabido que esta não é uma especialidade do capitão, que já tinha falhado um penálti na final do Europeu sub-21 frente à Suécia. Bruno César não poderia ter assumido essa tarefa? Bas Dost não sabe marcar penáltis?

 

Do onze titular. Jesus parece aprender muito pouco com os sucessivos desaires da equipa. Tirou Elias, mas Bruno César não foi superior enquanto médio de construção. E voltou a dar oportunidades a jogadores que nada contribuem para um bom desempenho do onze leonino, como Marvin e Markovic. Continua a optar pelo apagadíssimo Bryan Ruiz, quase sem dar oportunidades a Campbell. E anda à deriva, tal como a equipa, sem conseguir fixar um titular na posição de segundo avançado.

 

De Bas Dost. Mal se deu por ele em campo. Fez-nos sentir saudades de Slimani. E até de Teo Gutiérrez.

 

De Alan Ruiz. Suplente utilizado, voltou a ser uma nulidade. Sem nunca ganhar um lance, sem visão de jogo, sem capacidade de abrir linhas de passe. Podia ter continuado no banco.

 

Do número de passes falhados. A partir de certa altura deixei de contá-los, tantos eram e tão disparatados. Em todas as zonas do terreno.

 

Do penálti perdoado ao Nacional aos 75'. Bruno César foi claramente derrubado em falta, sem que o árbitro Vacso Santos assinalasse o castigo máximo. Embora nada garantisse que, havendo penálti, desta vez a bola entrasse.

 

Da incapacidade de construirmos lances ofensivos. Processo de construção lento atrás, domínio de bola atabalhoado à frente. O lesionado Adrien nunca fez tanta falta como agora.

 

Do nosso terceiro empate consecutivo na Liga 2016/17. Depois de tropeçarmos frente ao Guimarães e em casa contra o Tondela. Não há duas sem três.

 

De mais dois pontos perdidos. Estamos já a sete do Benfica, que hoje somou mais três.

 

 

Gostei

 

De Rúben Semedo. Foi talvez o jogador do Sporting que errou menos nesta partida. Foi também um dos poucos que revelaram genuína atitude leonina, bem patente na forma como nos últimos minutos procurou empurrar a equipa para diante. Podia ter marcado, aos 87', com um bom cabeceamento na sequência de um canto, defendido pelo guarda-redes do Nacional. Voto nele como o melhor jogador da nossa equipa nesta partida. Ou o menos mau, para ser mais rigoroso.

 

De Gelson Martins. Inconformado com o marasmo dos colegas, tentou remar contra a maré fazendo valer a sua boa técnica individual. Desta vez os lances não lhe saíram tão bem e teve ainda por cima Markovic, mal posicionado, a estorvar-lhe o seu raio de acção. Mas merece nota positiva pelo empenho - ao menos isso.

 

Que não tivéssemos sofrido golos. Depois de termos levado três do Rio Ave, dois do Estoril, mais três do Guimarães e outro do Tondela, ao menos hoje mantivemos as nossas redes invictas.

 

Da sorte. Um inacreditável falhanço de Coates, incapaz de interceptar a bola na zona que lhe estava confiada, e uma defesa sem nexo de Rui Patrício quase geraram um autogolo do nosso guarda-redes. Felizmente a trave impediu esse mal maior.

Clube pequeno

Clube pequeno é aquele que põe o ódio a outros clubes à frente dos seus próprios interesses. O caso Carrillo - jogador que recebe salário milionário sem que o justifique minimamente - comprova bem isso. Estão a pagar-lhe no SLB não pelo que ele vale de concreto mas apenas por ter saído do Sporting. E não lhe pagam pouco: dois milhões e meio de "prémio de assinatura" e quatro milhões de salário anual, já sem falar do bónus de dois milhões de euros que passou para as mãos de um tal Canaletto, empresário do jogador.
Espero ver em breve, nos programas televisivos e nas páginas dos jornais, jornalistas e comentadores porem em contraste o salário do  Djaló peruano face às baixíssimas remunerações de outros elementos do plantel encarnado, nomeadamente dos jogadores da formação. A menos que gastem todas as energias a puxar o saco a Vieira, como faz este.

Pág. 1/8

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D