Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

És a nossa Fé!

Pérolas de Rui Oliveira e Costa (4)

gIMG_4042[1].jpg

 

«Luís Filipe Vieira é porventura o presidente de clube que mais tem crescido, sem dúvida.»

«Qual é o problema de [Vieira] ler um papel? O presidente de um clube tem que ter alguém que lhe escreve os discursos. Qual é a questão? Então o Obama não diz para lhe escreverem discursos?»

«O Vieira está em boa forma, eu já há muito tempo que tenho reconhecido isso. Está em boa forma. E faz o que tem que fazer.»

Ontem à noite, na RTP informação

Contra factos...

...Exactamente, não há argumentos. Será assim?

Eu já escrevi aqui que acho que Fernando Santos é um homem honesto. Não posso ter a certeza, porque não o conheço pessoalmente, nem ninguém próximo dele, mas é essa a convicção que tenho em relação ao seleccionador nacional. Assim, não me parece que seja permeável a pressões para convocar este ou aquele, em detrimento de outro, em função de quem o representa, ou do clube a que pertence.

Quanto a isto, estamos conversados!

No entanto, no lugar que ocupa, Fernando Santos não está imune a criticas.

Se o objectivo qualificação é o mais importante sem sombra de dúvida e esse só numa hecatombe improvável não será atingido, parece-me que num grupo de cinco selecções que apura duas directamente e ainda leva a terceira ao play-off, era obrigatório, para além da qualificação, apresentar um futebol atractivo, de encher o olho, e isso com Fernando Santos não tem acontecido. Aliás, estou convicto que nunca acontecerá!

Quem quiser fazer uma retrospectiva do trabalho de Fernando Santos desde que começou a treinar, facilmente chegará à conclusão que, apesar de alguns resultados conseguidos, as suas equipas sempre foram sensaboronas em termos de qualidade do futebol praticado. Eu lembro o tempo em que esteve no Sporting; creio que não será difícil concordarem comigo que a coisa era muito fraquinha... Tal como no nosso rival do outro lado da rua.

Fernando Santos já fez cinco jogos como seleccionador. Ontem apresentou o onze mais velho de sempre na selecção nacional (de-sem-pre! 31,03 anos de média); Aliás, o top três, o pódio completo, é dele mesmo! Mas os factos, sim, dizem-nos que esses três jogos corresponderam a outras tantas vitórias e essas é que fazem somar pontos.

No entanto Fernando Santos não pode correr o risco que correu na Grécia: espremer os "velhos" até ao tutano e não ter feito a necessária renovação. Hoje é ver a Grécia tropeçar com qualquer selecção do terceiro escalão da Europa. A responsabilidade de Fernando Santos para com Portugal não é a mesma que teria com a Grécia, onde foi fazer um contrato e voltou e onde lhe pediram resultados que tentou atingir da melhor forma que soube e pôde. Não, com Portugal, Fernando Santos tem mais responsabilidade! A de, a par de resultados, ir construindo a selecção do futuro. Porque uma selecção com uma média de idade de 31,03 anos, nunca será uma selecção de futuro, por muito bons resultados que vá conseguindo.

Portanto, rendido aos resultados conseguidos até agora, espero que com a qualificação praticamente conseguida Fernando Santos aproveite os quatro jogos que faltam para lançar a titulares jogadores mais jovens, que já mostraram ter qualidade igual ou superior aos que têm sido da sua preferência e inicie a tão necessária renovação, equilibrando estes jovens com os que são mais experientes, como é uso fazer em todo o lado, que nisto do futebol já não há grande coisa para inventar. Não quero ver Portugal arrastar-se como a Grécia neste momento, sem esperança de rápidas melhoras.

Mas como disse lá atrás, com Fernando Santos, futebol de encher o olho, é melhor esperar sentado!

Linhas tortas

Para pôr o lampião de serviço a jogar, o seleccionador nacional inventou um novo jogador de meio-campo, Coentrão. A nódoa do lampião ofereceu um golo à equipa da casa (muito bem marcado por Matic, de resto) e ia oferecendo outro. Felizmente, e de forma surpreendente, Coentrão adaptou-se à posição e fez a assistência para o primeiro golo da selecção e marcou o segundo. Foi assim que acabou por se escrever direito por linhas tortas. Tortas? Tortíssimas.

Mudanças cirúrgicas mas necessárias

Balanço muito positivo, como ontem referi. Digam os jarretas de turno o que disserem: três vitórias da nova equipa técnica da selecção em três jogos na campanha de qualificação da equipa nacional para o Euro-2016 não lhes basta. É sempre assim.

Mas dois elementos do onze que ontem entrou na Luz contra a Sérvia não justificam titularidade: Eliseu e Danny. O primeiro - lento, desposicionado e com responsabilidades óbvias no golo sérvio - reproduz na selecção os erros que tem exibido ao serviço do clube. O segundo jamais revelou na equipa nacional os atributos que já demonstrou no campeonato russo - ao ponto de ser difícil afirmar com certeza qual a posição que ontem ocupava no terreno.

Os restantes são para manter. Com mais oportunidades, se possível, aos três suplentes da noite de ontem - José Fonte atrás, William Carvalho a meio e Ricardo Quaresma à frente. A selecção só tem a ganhar com isso.

Os servos da Sérvia ficaram com azia

alka-box[1].jpg

  

Pus-me a pensar, neste serão, que alguns dos comentadores televisivos de futebol alinham pela bitola daqueles involuntários companheiros de almoço do Pedro Oliveira, dias atrás. Vi-os com tamanha cara de enterro, com expressões tão graves, com críticas tão azedas aos jogadores portugueses que pareciam ter torcido pela vitória sérvia no confronto desta noite com vista ao apuramento para o Europeu de 2016.

Não vimos o mesmo jogo. Naquele que eu vi, Portugal levou de vencida a Sérvia com toda a justiça. Triunfámos por 2-1 e estivemos muito perto de um terceiro golo, apontado por Cristiano Ronaldo na marcação de um livre que motivou um voo quase impossível do guardião sérvio para a evitar a bola a fuzilar as redes. Rui Patrício, tanto quanto me lembro, só fez uma defesa.

 

vending-rennie-peppermint[1].jpg

 

Os nossos golos resultaram de lances estudados, revelando entrosamento entre os jogadores. Bola parada no primeiro caso, com centro de Fábio Coentrão para o oportuno remate de cabeça de Ricardo Carvalho. Excelente contra-ataque no segundo caso, com Cristiano Ronaldo a lançar João Moutinho que faz uma excepcional assistência para Coentrão, bem desmarcado na grande área sérvia.

João Pereira, Raul Meireles e Miguel Veloso - três intocáveis da era Paulo Bento - não foram convocados nem deixaram saudades. Quatro jogadores recuperados pelo actual seleccionador - Bosingwa, Ricardo Carvalho, Tiago e Danny - alinharam como titulares. Ricardo Carvalho abriu caminho à vitória com o golo, marcado logo aos 11'. Tiago voltou a deixar óptima imagem em campo. Bosingwa esteve seguro a defender na ala direita - oxalá se pudesse dizer o mesmo de Eliseu, na ala esquerda: no golo sérvio, marcado por esse lado, o lateral do Benfica primou pela ausência. Dos jogadores recuperados, só Danny continua a não justificar a convocatória.

José Fonte - que substituiu Ricardo Carvalho aos 16', por lesão - teve uma actuação impecável, confirmando hoje na Luz a boa fama alcançada no campeonato inglês. William Carvalho jogou os últimos dez minutos, entrando para o lugar de Danny: tempo suficiente para dar nas vistas com as recuperações de bola e os passes cirúrgicos que tão bem lhe conhecemos em Alvalade.

 

kompensan[1].jpg

 

Resumindo e abreviando: terceiro jogo da selecção sob o comando de Fernando Santos, terceira vitória consecutiva. Agora a Sérvia, após a Dinamarca e a Arménia. Seguimos em primeiríssimo lugar no nosso grupo de apuramento, com nove pontos, enquanto albaneses e dinamarqueses têm apenas sete.

Ficamos quase todos satisfeitos, naturalmente. Excepto os tais comentadores com cara de enterro e aqueles comensais que se confessaram servos da Sérvia lá para as Portas de Benfica.

A esta hora estão a engolir pastilhas contra a azia. Oxalá lhes façam bem.

Os nossos, os deles

os nossos.jpg

os deles.jpg

Sexta-feira, 27 de Março de 2015, o destino levou-me a almoçar ao concelho da Amadora mas bastante próximo dumas Portas com nome de clube de bairro, Portas de Benfica.

Enquanto brigava com umas lulas grelhadas, tentando afogá-las num branco, impecavelmente, fresco, chegam-me as seguintes palavras, trazidas da mesa do lado:

"Domingo, domingo quero que se fo**m, aquilo é só lagartada, quero é que ganhem os nossos, que ganhem ca*a*ho! o nosso Matic, o nosso Markovic, o nosso Durossic (tradução: Djuricic)"

Os companheiros de mesa riram, alarvemente, mostrando o bolo alimentar e umas bocas com poucos dentes.

Confesso que as lulas se me enrolaram no estomâgo...

Acabei o vinho (que não tinha culpa nenhuma) e pedi a conta, o café seria tomado num sítio mais civilizado.

Levantei-me e atirei com um:

"Boa sorte para os vossos e vamos lá a ver se desta vez o vosso estádio não acaba de cair e não acabam todos à porrada no campo como é vosso costume."

Virei costas e saí.

Não me apetecia escrever este "post" mas ao ler " A Bola" de hoje, percebi que aqueles involuntários companheiros do meu almoço, provavelmente, são jornalistas, escrevem no pasquim da Travessa da Queimada. O que terá uma eventual vitória da Sérvia hoje a ver com o hipotético título do Benfica? 

"Vitória da Sérvia, título do Benfica" diz-nos um Matic vestido cor de papoila saltitante; noutra página um Patrício vestido de verde, defende a baliza de Portugal.

Para muitos neste país (jornalistas incluídos) é o Sporting Clube de Portugal que vai jogar fora, mais logo, no estádio da Sérvia/Benfica.

Que vençam os nossos (o Sporting) e que percam os deles, ca*a*ho! (como diria o almoçante de sexta-feira).

 

O que disse Bruno ao 'Record'

Sobre Nani:

«Na próxima época o Nani não estará cá, com muita pena nossa, que gostávamos de o manter, mas a todos os níveis é um jogador que não está para aquilo que são as condições do futebol português, não só do Sporting. Mas acredito que ainda vamos ter muitas alegrias em conjunto.»

Sobre Jefferson:

«Está tudo totalmente resolvido. Além do mais o Jefferson tem contrato com o Sporting até 2017.»

Sobre Slimani:

«Trata-se de um jogador que tem contrato com o Sporting por mais dois anos e contamos com ele para a próxima temporada.»

Sobre Carrillo:

«Carrillo de borla não sairá.»

Sobre Ryan Gauld:

«As coisas estão a decorrer dentro da normalidade. Já provou que tem valor. Vamos ver...»

Sobre William Carvalho:

«Não há nenhuma necessidade de fazermos uma venda. Estamos a falar de um jogador que tem contrato até 2018.»

Sobre Labyad:

«O Labyad está a evoluir de forma muito positiva e trata-se apenas de uma mera questão técnica. [Em termos salariais] está tudo resolvido.»

Sobre Diego Rubio:

«É um jogador que está no plantel e ainda há uns dias ouvi o treinador dizer que estávamos satisfeitos e que estamos atentos. Tem de continuar a evoluir.»

Uma bela manhã sportinguista

Férias de Páscoa: ontem, às 9 da manhã, lá estava com os meus rapazes e os amigos à entrada da Porta 1 do Estádio José Alvalade para os deixar a assistirem ao treino aberto. Fui trabalhar e voltei a pegá-los à hora do almoço, estavam a acabar as cerimónias da primeira pedra do Pavilhão João Rocha. A rapaziada estava um pouco triste: apesar de terem arranjado uns autógrafos, não tinham visto os melhores jogadores, por causa das convocatórias para as selecções: Patrício, Cédric, Paulo Oliveira, Tobias, William, Nani, Carrillo, Slimani, Gauld... Vendo bem, quase toda a equipa A. Para os compensar, levei-os ao Kentucky Fried Chicken ali ao pé e comemos umas aves da Segunda Circular.

Um dia grande para o Sporting

pedra[1].jpg

 

Este foi um dia grande para o Sporting. Por vários motivos:

- O presidente Bruno de Carvalho colocou esta manhã, solenemente, a primeira pedra do futuro pavilhão João Rocha, tantas vezes prometido por outras direcções e tantas vezes adiado. E comprometeu-se a uma data já traçada para a conclusão da obra: Dezembro de 2016;

- Dois campeões sportinguistas passam a partir de agora a figurar na toponímia lisboeta, dando nomes a ruas nas imediações do estádio: José Travassos e Vítor Damas. A cerimónia de descerramento das placas contou com a presença do vice-presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina;

- A equipa principal de futebol, reforçada por jogadores do Sporting B, trocou hoje Alcochete por Alvalade, fazendo um treino aberto no nosso estádio presenciado por cerca de quatro mil adeptos - três dos quais foram escolhidos para se associarem aos jogadores no relvado;

- Bruno de Carvalho assinalou também hoje o segundo aniversário da sua posse como presidente do Sporting com uma extensa entrevista ao Record em que deixa bem claro que contará com Marco Silva para a próxima temporada oficial de futebol.

- Ainda hoje, Wallyson renovou contrato com o clube até 2021, mantendo-se a sua cláusula de rescisão em 45 milhões de euros.

"Eu e o Marco somos crescidos e está tudo ultrapassado"

18176343_zrL4G[1].jpg

 

"Não temos medo de admitir as coisas"

"Ambiente na tribuna é bem mais hipócrita"

"Só ficarei satisfeito quando for campeão"

"Vou recandidatar-me"

"Esperar um mau momento não é oposição, é cobardia"

"Não há cisões na direcção do Sporting"

"Sinto-me com a mesma força do início"

"Naming do estádio? é possível se os sócios deixarem"

"Eu e o Marco Silva já nos devíamos ter reunido"

 

Isto e muito mais numa entrevista oportuna, hoje no Record.

Três meses depois

25 Janeiro.PNG

 

Confundindo talvez desejos com realidade, um vetusto jornal diário divulgou a 26 de Dezembro de 2014, com grande destaque, esta notícia não confirmada. Dois títulos, dois erros garrafais: não só Marco Silva não "deixou" Alvalade como Bruno de Carvalho, naturalmente, não havia tomado decisão alguma nesse sentido.

Há três meses que este mesmo jornal deve um pedido de desculpas aos leitores. Por ter difundido informação especulativa e desmentida pelos factos.

Com eles iremos longe

18166231_jdvMH[1].png

 

Estão hoje - e com todo o mérito - em destaque na capa do Record. Sem espaço na equipa principal deste Sporting 2014/15, e com provas mais que dadas na equipa B, em boa hora a direcção leonina decidiu rodá-los, a título de empréstimo, por outras equipas. Iuri Medeiros, ao serviço do Arouca. Ricardo Esgaio, integrado na Académica. E Filipe Chaby, pelo União da Madeira (da Segunda Liga).

Qualquer deles está a dar que falar.

 

Iuri, um extremo de inegável qualidade, leva já 516 minutos em dez jogos e distinguiu-se pela marcação de dois grandes golos: um ao Benfica, outro ao Gil Vicente.

Esgaio, polivalente na ala direita, onde faz qualquer posição, agarrou de caras a titularidade em Coimbra, com 810 minutos em nove jogos. Desde que lá chegou a Académica ainda não perdeu.

Chaby, embora num escalão menor, também se tem revelado um dos maiores: já marcou três golos em dez jogos (604 minutos). Está a ser muito útil na campanha do União da Madeira pela subida à primeira divisão.

Como escreve António Adão Farias hoje no Record, "todos ganharam: o Sporting, porque viu um objectivo cumprido, os clubes que os receberam porque ganharam reforços de qualidade, e os próprios jogadores porque encontraram espaço fulcral para cimentarem evolução profissional e pessoal".

 

Tudo isto é bom. Mas melhor ainda é sabermos que qualquer deles regressará a Alvalade na próxima época. A direcção conta com eles para integrarem o plantel leonino.

A partir de 2015/16 poderão confirmar na equipa principal as excelentes provas que demonstraram no Sporting B e atestadas - nos casos de Iuri e Esgaio - nas imagens que se seguem.

 

 

Podemos chamar-lhes já três reforços. Dignos de ombrear com outros nomes da nossa formação que se têm destacado na equipa principal. Nomes como William Carvalho, Carlos Mané, João Mário e Tobias Figueiredo.

Este é o caminho certo. Estamos a singrá-lo.

Pág. 1/7

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D