03 Abr 12
 

Faço breve referência a este tema na minha coluna na edição de hoje do jornal do Sporting, mas a sua preeminente relevância justifica uma abordagem um pouco mais alargada. Com a tolerância exausta para com o estado da arbitragem, doméstica e internacional, as federações do Canadá e dos E.U.A. formaram uma parceria sem precedente na história do futebol mundial, a fim de resolver a complexa contenda. Para o efeito, foi anunciado no passado dia 6 de Março a criação da «Organização de Árbitros Profissionais», um organismo independente, sediado em Nova Iorque, com um muito simples objectivo: estabelecer um padrão universal para governar a arbitragem do futebol, a ser eventualmente adoptado pela FIFA. Para liderar o projecto foram entrevistados candidatos da Argentina, Espanha, Alemanha, Reino Unido, México e E.U.A. e o escolhido foi um inglês, Peter Walton, administrador de carreira e árbitro da «Premier League» durante muitos anos. O dossier que estipula os parâmetros do mandato é extenso de mais para descrever neste espaço, mas satisfará saber que o organismo não operará subordinado a nenhuma liga, conselho de disciplina ou arbitragem, que os responsáveis dispõem de fundos substanciais para o seu sustento total e que, como base experimental, a O.A.P. utilizará a MLS.

Peter Walton começou por sublinhar o mais evidente, nomeadamente que é inadmissível que a essência de uma indústria que mexe com avultados fluxos económicos tenha, como um dos seus componentes fulcrais, agentes em regime de voluntariado a zelar pelas regras do jogo e cuja actividade deficitária impacta não só o desporto em si, mas também a qualidade da existência das próprias instituições que constituem a indústria. Adiantou, ainda, que muito embora erros sejam cometidos e aceites como parte inevitável do jogo, torna-se absurdo que não existam estruturas para minimizar a gravidade e frequência desses erros e, pior ainda, que se venha a público por via de egos populistas defender o indefensável. Atletas e outros na periferia do jogo beneficiam de preparação diária apoiada pelos meios mais avançados e sofisticados que existem no mundo e não faz sentido que os árbitros não trabalhem com as mesmas condições.

Embora seja prematuro divulgar quaisquer das medidas em estudo, Peter Walton exemplificou uma que está a ser delineada: o clube, se assim entender e tiver provas conclusivas que um jogador seu foi expulso injustamente por erro da arbitragem, terá 24 horas para recorrer a um painel composto por três elementos independentes, que deliberarão o caso imediatamente, com autoridade para manter ou anular a decisão original. A partir do momento que o clube tenha dois recursos indeferidos, abdicará desse direito para o balanço da época. O mesmo é aplicável ao clube que apresente um recurso considerado frívolo. A decisão do referido painel suplantará, em definitivo, qualquer punição atribuída por um conselho de disciplina. Esta é apenas uma entre muitas medidas revolucionárias que irão surgir num futuro não muito distante e será interessante acompanhar a evolução do projecto. Considerando a metodização organizacional norte-americana, é de prever o envolvimento discreto e circunspecto da FIFA, em parelelo, no todo do processo, ficando no ar a expectativa quanto à sua eventual disponibilidade para a implementação do mesmo.   Para mera informação de quem, porventura, menospreze a dimensão da modalidade neste continente, é notável verificar que são registadas cerca de 45 mil inscrições anuais para a arbitragem de futebol e que o maior complexo do género do mundo, está situado na cidade de Blaine, Minnesota, com nada menos do que 52 campos em redor do estádio principal. Caso para reflexão! 


comentar
2 comentários:
De Jose Manuel Barroso a 4 de Abril de 2012 às 14:48
Muito interessante esta informação, sem dúvida.


De Rui Gomes a 4 de Abril de 2012 às 16:57
Reside, nesta organização, uma esperança real de mudanças progressivas com o potencial para impressionarem a FIFA a modernizar algumas regras. Quando os americanos estabeleceram a já extinta NASL, muitos de nós fomos críticos das suas inovações. Hoje e já há algum tempo, reconhecemos que tinham razão em muita coisa.
Considerando o sistema vigente, não há razão para optimismo que alterações possam originar com a UEFA ou com a FIFA, sem influências incontornáveis.

O texto foi um pouco mais longo do que eu desejava
mas não consegui resistir à abrangente temática da minha desde sempre paixão.

Um abraço.


Comentar post

Autores
Pesquisar
 
Posts recentes

Os nossos comentadores me...

Isto é o Sporting!

Limpinho, limpinho

Ao Edmundo

Pódio: Bruno César, Gelso...

A diferença entre erro e ...

Esta coisa estranha de nã...

Leitura recomendada

Seis

90 minutos!

Arquivo

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Tags

sporting

memória

comentários

selecção

bruno de carvalho

leoas

vitórias

prognósticos

há um ano

jorge jesus

campeonato

balanço

slb

arbitragem

benfica

mundial 2014

jogadores

rescaldo

taça de portugal

liga europa

godinho lopes

eleições

euro 2016

árbitros

ler os outros

futebol

golos

clássicos

comentadores

nós

marco silva

crise

scp

cristiano ronaldo

análise

chavões

formação

humor

slimani

liga dos campeões

todas as tags

Mais comentados
158 comentários
155 comentários
152 comentários
136 comentários
132 comentários
114 comentários
112 comentários
Ligações
Créditos
Layout: SAPO/Pedro Neves
Fotografias de cabeçalho: Flickr/blvesboy e Flickr/André
blogs SAPO
subscrever feeds