Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

«A organização de árbitros profissionais»

 

Faço breve referência a este tema na minha coluna na edição de hoje do jornal do Sporting, mas a sua preeminente relevância justifica uma abordagem um pouco mais alargada. Com a tolerância exausta para com o estado da arbitragem, doméstica e internacional, as federações do Canadá e dos E.U.A. formaram uma parceria sem precedente na história do futebol mundial, a fim de resolver a complexa contenda. Para o efeito, foi anunciado no passado dia 6 de Março a criação da «Organização de Árbitros Profissionais», um organismo independente, sediado em Nova Iorque, com um muito simples objectivo: estabelecer um padrão universal para governar a arbitragem do futebol, a ser eventualmente adoptado pela FIFA. Para liderar o projecto foram entrevistados candidatos da Argentina, Espanha, Alemanha, Reino Unido, México e E.U.A. e o escolhido foi um inglês, Peter Walton, administrador de carreira e árbitro da «Premier League» durante muitos anos. O dossier que estipula os parâmetros do mandato é extenso de mais para descrever neste espaço, mas satisfará saber que o organismo não operará subordinado a nenhuma liga, conselho de disciplina ou arbitragem, que os responsáveis dispõem de fundos substanciais para o seu sustento total e que, como base experimental, a O.A.P. utilizará a MLS.

Peter Walton começou por sublinhar o mais evidente, nomeadamente que é inadmissível que a essência de uma indústria que mexe com avultados fluxos económicos tenha, como um dos seus componentes fulcrais, agentes em regime de voluntariado a zelar pelas regras do jogo e cuja actividade deficitária impacta não só o desporto em si, mas também a qualidade da existência das próprias instituições que constituem a indústria. Adiantou, ainda, que muito embora erros sejam cometidos e aceites como parte inevitável do jogo, torna-se absurdo que não existam estruturas para minimizar a gravidade e frequência desses erros e, pior ainda, que se venha a público por via de egos populistas defender o indefensável. Atletas e outros na periferia do jogo beneficiam de preparação diária apoiada pelos meios mais avançados e sofisticados que existem no mundo e não faz sentido que os árbitros não trabalhem com as mesmas condições.

Embora seja prematuro divulgar quaisquer das medidas em estudo, Peter Walton exemplificou uma que está a ser delineada: o clube, se assim entender e tiver provas conclusivas que um jogador seu foi expulso injustamente por erro da arbitragem, terá 24 horas para recorrer a um painel composto por três elementos independentes, que deliberarão o caso imediatamente, com autoridade para manter ou anular a decisão original. A partir do momento que o clube tenha dois recursos indeferidos, abdicará desse direito para o balanço da época. O mesmo é aplicável ao clube que apresente um recurso considerado frívolo. A decisão do referido painel suplantará, em definitivo, qualquer punição atribuída por um conselho de disciplina. Esta é apenas uma entre muitas medidas revolucionárias que irão surgir num futuro não muito distante e será interessante acompanhar a evolução do projecto. Considerando a metodização organizacional norte-americana, é de prever o envolvimento discreto e circunspecto da FIFA, em parelelo, no todo do processo, ficando no ar a expectativa quanto à sua eventual disponibilidade para a implementação do mesmo.   Para mera informação de quem, porventura, menospreze a dimensão da modalidade neste continente, é notável verificar que são registadas cerca de 45 mil inscrições anuais para a arbitragem de futebol e que o maior complexo do género do mundo, está situado na cidade de Blaine, Minnesota, com nada menos do que 52 campos em redor do estádio principal. Caso para reflexão! 

2 comentários

Comentar post

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D