01 Abr 12
Um Sporting terceira força?
Jose Manuel Barroso

Retomo um tema, já comentado de passagem no blog: estará o Sporting a ser 'vítima' de uma convergência de interesses entre Porto e Benfica, no sentido de ser (ou vir a ser) uma espécie de Atlético de Madrid do futebol português? A força de uma instituição, como o SCP, radica em vários pilares (desportivos, económicos, estabilidade, vitórias, capacidade de atuar nos vários mercados, gestão da marca, modernidade, alianças, etc). Só articulados e interativos estes fatores geram vitórias. O SCP foi um líder dominante nos anos 40 e 50,  tendo o SLB como segunda força. Mas perdeu essa liderança nos anos 60 e 70, trocando de posições com o SLB. Até que, nos anos 80, o 'outsider' regional FCP interrompe o domínio do sul (SCP/SLB) e ocupa a posição dominante do futebol portugues - um domínio que durou (e, de certo modo, dura) desde essa década. Como isso se passou, eis o que contarei aqui um dia destes, pelo que volto ao tema da pergunta inicial.

A constatação de que o mercado do futebol português era (é) exíguo levou a força dominante FCP, ainda nos anos 80, a imaginar dois polos de força desportiva e rivalidade nas duas principais cidades do país, tendo o Porto como polo forte e Lisboa como o polo menos forte. Para isso, o poder do FCP precisava de um aliado no sul, um aliado tático porque a estratégia era consolidar o poder do FCP/norte e enfraquecer o sul/SLB/SCP - jogando, alternadamente, com aproximações a um ou outro clube de Lisboa. Nos anos 80 - contra o projeto de autonomia estratégica de João Rocha, no SCP - Fernando Martins/SLB funcionou como o aliado tático do FCP/Pinto da Costa, e aí se iniciou o processo de enfraquecimento/expoliação do SCP. Um FCP forte aliado estratégico de um SLB fraco, mas ambos interessados em ter no SCP um 'inimigo' a fragilizar sempre e sempre. Essa espécie de aliança entre pote de ferro e pote de barro será interrompida com o fim do consulado de Fernando Martins, mas o pós-Fernando Martins será um período de ainda maior fragilidade no SLB, com lutas internas desgastantes para o clube.

Nesse auge de poder do FCP - SLB frágil e dividido e SCP frágil e também dividido - o poder do Norte é avassalador e apenas tem uma pausa quando Valentim Loureiro (até então aliado tático do FCP) tenta autonomizar-se e procura uma aliança com o novo poder no SCP, na era José Roquette. Roquette recusará essa aliança explícita, mas, nesse período, Sporting e Boavista serão campeões. Com a chegada de Luis Filipe Vieira ao Benfica, este tenta afirmar-se como poder autónomo e dominante, no polo sul, e grande desafiante do poder FCP/norte, tentando remeter para o Porto a panela de barro e trazer para Lisboa a panela de ferro. Pensando em termos de mercado e em termos de polos de rivalidade - e aceitando como inelutável essa realidade - SLB e FCP convergiram decididamente em termos estratégicos: só pode (deve) haver dois grandes de facto no futebol português. Cabe então ao Sporting e aos sportinguistas responder ao repto - unidos e solidários.


comentar
2 comentários:
De Lina Martins a 1 de Abril de 2012 às 12:43
Concordo plenamente. O trabalho fica ainda mais facilitado com as divisões internas, quer a nível directivo, quer a nível do próprio adepto. Também a comunicação social tem a "tercialização " do nosso clube como um objectivo a alcançar. Basta verificar a forma como os comentadores abordam os nossos jogos e a forma como as notícias são apresentadas. Só a união dentro do clube, envolvendo os dirigentes, os atletas, os sócios e os simpatizantes é que poderá inverter esta tendência. Porque quer queiramos quer não, as nossas atitudes tomadas no passado permitiram um grande avanço à tercialização " do nosso grande Clube.


De Francisco Martins a 14 de Abril de 2012 às 17:32
Independentemente do resultado das averiguações relativas ao caso cardinal, afigura-se cada vez mais evidente que o SCP é um estorvo para a divisão do bolo das receitas do futebol profissional, que como é sabido está mais pequeno e tem tendências para encolher ainda mais perante a crise que se vive. O dualismo é conveniente a SLB e FCP . Não é preciso ser mestre para descortinar esta realidade, tais são as evidências.


Comentar post

Autores
Pesquisar
 
Posts recentes

Esperança

Irritação

P.O. a D.D. - A sério?

Manto de silêncio

Ódio puro e duro

Os nossos comentadores me...

Como utilizar um miúdo 15...

Nada sucede por acaso

Os nossos comentadores me...

Os melhores prognósticos

Arquivo

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Tags

sporting

memória

comentários

selecção

bruno de carvalho

leoas

vitórias

prognósticos

há um ano

jorge jesus

campeonato

balanço

slb

arbitragem

benfica

mundial 2014

jogadores

rescaldo

taça de portugal

liga europa

godinho lopes

eleições

euro 2016

árbitros

ler os outros

futebol

golos

clássicos

comentadores

nós

marco silva

crise

scp

cristiano ronaldo

análise

chavões

formação

humor

liga dos campeões

slimani

todas as tags

Mais comentados
158 comentários
155 comentários
152 comentários
136 comentários
132 comentários
118 comentários
114 comentários
Ligações
Créditos
Layout: SAPO/Pedro Neves
Fotografias de cabeçalho: Flickr/blvesboy e Flickr/André
blogs SAPO
subscrever feeds