Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

És a nossa Fé!

O Robin dos Bosques

A história do alargamento das competições profissionais vai ser uma novela, como se depreende da própria decisão da AG da Liga, das posteriores ameaças do presidente do Gil Vicente e da entrevista matreira do presidente da Liga à Reuters.

 

No meu entendimento, a manobra foi a seguinte:

1. Tomada da Liga pelos pequenos clubes e com o seu voto maioritário, pelo populismo do alargamento sem despromoções (I e II ligas) - votos garantidos dos clubes em situação de dúvida, quanto à permanência, nomeadamente dos que estão em péssima situação financeira;

2. Tomado o poder, como financiar os clubes, então, em tempos de crise? Retirar aos ricos parte do que eles recebem de receitas televisivas, através de uma equidade aparente («os ricos que paguem a crise» ou Robin Mário Wood do nosso futebol) e de um eventual aumento do bolo das receitas televisivas, pela centralização da sua negociação na Liga - estando esta nas mãos do novo poder;

3. Como o presidente da Liga é jurista e sabe as limitações jurídicas, regulamentares e éticas da manobra, propor uma liguilha (talvez mais justa, como ideia, mas inviável desta forma, como ele sabia à partida) - lavando daí as mãos, i.e., fingindo que o acordo com os clubes, para a sua eleição, não era o que era (não haver despromoções), mas sim a 'possibilidade' de as haver através de uma liguilha; 

4. Com boa tática de advogado, Mário Figueiredo poderia argumentar, depois, para manter as aparências (pilatianas), como o fez na entrevista à Reuters: eu propus uma coisa, os clubes é que quiseram outra (i.e.: o que de facto tinha sido combinado com eles, em sede de programa eleitoral); hipocrisia pura;

5. Remeter depois a argumentação da questão ética da verdade competitiva (uma questão e A questão em debate) para a outra de uma divisão mais equitativa do bolo televisivo, pela tal centralização na Liga da sua negociação - fechando o círculo da manobra e protegendo um passo duvidoso com outro aceitável.

 

É evidente que os argumentos, na questão do alargamento, não se ficam por aqui, para sermos justos. Para os pequenos, o acréscimo de jogos resultante do se passar de 16 para 18 clubes em cada competição (até mais, na II Liga, por via das equipas B) levaria a mais jogos (de 30 jornadas para 34, um mês mais a competir). Isto é, potencialmente mais receitas, menos meses no zero-receitas, um fardo para os clubes. O problema, neste caso, é saber se, na atual conjuntura, este é o momento para mudar e mudar deste jeito. Para além da ética da competição - que os próprios regulamentos da FIFA acautelaram em 2007 (creio) - há a ter em conta a especial situação economico-financeira do País. Os proveitos dos clubes vão diminuir dramaticamente nos proximos tempos e nem a centralização da negociação das receitas televisivas deverá ser suficiente para garantir a sustentabilidade de todos. E não é certo, sequer, que o reeditar Robin Wood seja suficiente. Mas, nadando em passivos, muitos clubes estão numa fuga para a frente. Vêm aí grandes guerras. Fiuza dixit.

3 comentários

Comentar post

{ Blog fundado em 2012. }

Siga o blog por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D