15 Fev 12

A elaboração de notícias com recurso a fontes não identificadas, sobretudo quando visam terceiros a quem não é dada a possibilidade de se defenderem ou justificarem, é uma grave falta profissional: esta norma vem mencionada em qualquer manual de jornalismo. Admite-se, naturalmente, a existência de excepções. Mas a natureza das excepções é mesmo esta: não se confundirem com a regra.

Vem isto a propósito de uma notícia da Lusa, redigida sem menção a qualquer fonte, com suspeições graves sobre Domingos Paciência. Não posso, não quero nem devo pronunciar-me sobre o fundo da questão. Mas espanto-me que a agência noticiosa, ao arrepio do seu livro de estilo, tenha caído neste vício de forma.

O meu espanto aumentou ao saber hoje que a Lusa pretende emendar o erro cometido com outro ainda mais grave ameaçando revelar as fontes da referida notícia. E utilizo o plural porque não me passa pela cabeça que a agência tenha difundido a informação que assumiu como sua sem o necessário cruzamento de fontes imposto como requisito técnico e deontológico indispensável para a elaboração de peças noticiosas de cunho marcadamente polémico.

Se o recurso a fontes anónimas é grave nos casos em que não esteja em risco um direito elementar, nomeadamente a integridade física ou a própria vida do informador, violar a regra de ouro da protecção das fontes -- pedra basilar do jornalismo, que neste aspecto se compara ao sacerdócio -- é algo inqualificável. E sem justificação possível, mesmo sob a ameaça de um processo judicial, salvo a prevenção de um crime -- eis também aqui a excepção que não deve elevar-se a norma.

O erro não foi das fontes: foi da Lusa. Ora um erro não se repara, em circunstância alguma, com outro erro. Este princípio vale para qualquer caso, em qualquer circunstância. E é bom que seja afirmado sem sombra de ambiguidade.


comentar
6 comentários:
De Alda Telles a 15 de Fevereiro de 2012 às 23:21
Pedro, cai-se sempre na tentação de matar o mensageiro. A confiança mútua entre fontes e jornalistas é fundamental e a base da informação que todos nós consumimos. O título do meu post "A nuvem por juno" pretendia justamente alertar para que não nos deixemos levar pela questão fácil do erro do jornalista para justificar os erros de comunicação do Sporting.
Neste momento, só há duas hipóteses: a informação da fonte foi autorizada pela direcção e esta tem de cair, ou foi sem o conhecimento e acordo da direcção e o Sporting tem de limpar imediatamente a sua imagem e fazer as desinfecções que tiver a fazer.
Porque é que nos estamos a preocupar com o código deontológico dos jornalistas quando o que nos interessa é o código de ética do Sporting?


De Pedro Correia a 16 de Fevereiro de 2012 às 00:12
Alda, só por mero acaso a minha reflexão surge depois da sua: era algo que já tinha decidido escrever quando vi o seu texto um pouco mais abaixo.
Indo directamente ao que questiona. Se a relação de confiança entre a fonte e o órgão de informação é fundamental, neste caso das duas uma:
- ou a Lusa noticiou com base em fonte/fontes não dignas de confiança e nesse caso entende-se mal porque difundiu a notícia;
- ou a Lusa noticiou com base em fonte/fontes dignas de confiança e nesse caso entende-se mal porque se revela disposta a revelar a fonte. Nesta hipótese, para usar a sua expressão, seria ela própria a matar o mensageiro.
Como escrevi no 'post', neste caso interessa-me essencialmente a questão da forma, não a questão do fundo. Não me pronuncio por isso sobre os "erros" factuais que a Alda dá como certos. E menos ainda sobre as consequências práticas desses supostos erros.
Dir-me-á que estou a prender-me com o acessório. No entanto, as questões deontológicas do jornalismo para mim nunca passarão para segundo plano, mesmo num blogue que se destina antes de mais nada a apoiar e defender o Sporting. Por um motivo muito simples: estou temporariamente afastado do jornalismo mas esta foi a minha profissão durante 30 anos. E 30 anos, como dizia aquela canção já antiga, é muito tempo...



De jpt a 16 de Fevereiro de 2012 às 09:56
Completamente de acordo com o seu postal. Fiquei estupefacto quando li a notícia (ainda para mais sendo a LUSA estatal, o que não agrava o facto mas torna-o mais ... impensável). Terá a ver com a deontologia do jornalismo mas muito mais ainda com a protecção da liberdade de imprensa e, neste caso, da democracia. Sou muito sportinguista mas ... não confundamos o inconfundível.


De Pedro Correia a 16 de Fevereiro de 2012 às 18:13
Sintonia total, meu caro.


De Francisco Almeida Leite a 16 de Fevereiro de 2012 às 09:59
Muito bem dito e escrito, Pedro.


De Pedro Correia a 16 de Fevereiro de 2012 às 18:13
Um abraço, Francisco.


Comentar post

Autores
Pesquisar
 
Posts recentes

Os nossos comentadores me...

Fanfarronice ou será que ...

Prognósticos antes do jog...

Os nossos comentadores me...

Leoas às sextas

A minha costela Jota Jota

Pontos nos is.

A Europa e o Vida

Esperança

Irritação

Arquivo

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Tags

sporting

memória

comentários

selecção

bruno de carvalho

leoas

vitórias

prognósticos

há um ano

jorge jesus

campeonato

balanço

slb

arbitragem

benfica

mundial 2014

jogadores

rescaldo

taça de portugal

liga europa

godinho lopes

eleições

euro 2016

árbitros

ler os outros

futebol

golos

clássicos

comentadores

nós

marco silva

crise

scp

cristiano ronaldo

análise

chavões

formação

humor

liga dos campeões

slimani

todas as tags

Mais comentados
158 comentários
155 comentários
152 comentários
136 comentários
134 comentários
132 comentários
114 comentários
Ligações
Créditos
Layout: SAPO/Pedro Neves
Fotografias de cabeçalho: Flickr/blvesboy e Flickr/André
blogs SAPO
subscrever feeds